Shania Twain revela detalhes de seu novo álbum para a Rolling Stone
15.02.2017
• publicado por Diego Brambilla em canções, Entrevistas, Notícias

Reconhece a minha voz?” perguntou Shania Twain em um sofá de quarto de hotel em uma tarde gelada de Nova York. “Ainda parece eu?” Twain – que vendeu mais de 85 milhões de discos nos anos 90 e 2000 com sucessos country-pop como “You’re Still The One” e “That Don’t Impress Me Much” – discute sobre seu primeiro álbum em 15 anos.

“Eu sou uma cantora diferente agora”

Com lançamento na primavera, o álbum também marca suas primeiras gravações desde que foi diagnosticada com disfonia, um transtorno nas cordas vocais que causa rouquidão e dificuldade de falar. A questão manteve Twain fora do estúdio por anos levando-a a fazer terapia vocal. Ela finalmente encontrou um timbre reconhecível, mas mais profundo do que antes. “Eu sou uma cantora diferente agora”, diz ela. “Houve muitas discussões sobre isso, foi um dos obstáculos na minha vida que tive que aprender a conviver”.

Twain acredita que a doença veio do estresse – um deles foi seu divórcio com Robert “Mutt” Lange, finalizado em 2010. Lange, um veterano da música que construiu grandes álbuns de Def Leppard e Céline Dion, produziu e co-escreveu o material de Twain depois de 1993, incluindo “Come On Over” de 1997, que se mantém como o álbum country mais vendido de todos os tempos. A parceria terminou em 2008 quando Twain descobriu que Lange havia se apaixonado por sua amiga de longa data, Marie-Anne Thiébaud. A história se tornou uma saga dos tabloides em 2010 depois que Twain revelou seu noivado com o ex marido de Thiébaud, numa troca de casais com sua amiga. “Eu aprendi muito sobre mim mesma,” ela diz. “É assustador quando se aprende o quão vulnerável você pode ser.

Ela conta essa história em canções como “Who’s Gonna Be Your Girl?” – uma balada triste que reflete o fim de seu casamento. “É sobre se sentir desapreciada e saber que você é a segunda opção,” ela diz. “Ter de viver com alguém que tem prioridades diferentes e aceitar que você não é a coisa mais importante na vida daquela pessoa.” Outra canção, “Swinging With My Eyes Closed” é sobre lutar contra a dor. “A lutadora dentro de mim escreveu essa canção,” diz ela. “Eu estava pensando em um boxeador, ou um bebê saindo com os olhos fechados e os punhos fechados. Eles não podem sequer ver ainda e estão balançando com os olhos fechados.

We Got Something They Don’t” inicialmente soa como a comemoração de sua felicidade com Frederic, mas ela diz que, na verdade, foi inspirada por um jogo de beisebol. “Eu estava doente, em um quarto de hotel e tinha um jogo da Major League Baseball logo abaixo do hotel,” conta ela. “Eu estava chateada por não poder ir lá e apreciar o jogo, então eu escrevi esta canção sobre a equipe vencedora e o que eu gostaria de sentir, e eu entrei no espírito do jogo. Trata-se de se sentir como um campeão.

O tom de muitas das músicas mudou dramaticamente durante a longa jornada do álbum até a conclusão. “A maioria delas começou com muito melancolia e muito mais obscuras”, diz ela. “Swinging With My Eyes Closed” era totalmente triste no início. E, de repente, a luz se acendeu e houve luz no meio da escuridão. Há várias músicas que têm esse contraste que talvez sejam bem sutis para o ouvinte até mesmo perceber.”

“[Compôr] me ajudou a entender muitas coisas emocionalmente”

Enquanto os anos se passaram sem álbum novo de Twain, a pressão de fazer algo verdadeiramente especial foi subindo aos poucos. A pressão cresceu quanto Twain decidiu compôr todas as músicas sozinha. “Precisava ser realmente puro, minha própria história com minha própria jornada emocional”, diz ela. “Eu estava sozinha e, de repente, não queria me esquivar disso. Isso não é algo colaborativo; é algo muito pessoal.

Para Twain, compôr foi uma dificuldade nos anos que seguiram “Up!” de 2002, um duplo LP que falhou frente as expectativas deixadas por “Come On Over”. Ela focou mais em cuidar de seu filho de 15 anos Eja, em sua casa na Suíça. “Eu desejei como louca que tivesse músicas novas agora,” escreveu ela aos fãs em 2009. “Está sendo muito difícil colocar [minha escrita] toda em formato de música.” Ela decidiu construir sua composição depois do lançamento de seu show de retorno em Las Vegas, “Shania: Still The One”, em 2012, o qual foi seguido de uma bem-sucedida turnê em 2015.

Twain criou as canções no GarageBand antes de levá-las aos produtores, que incluem Jake Gosling (Ed Sheeran, Lady Gaga) e Ron Aniello, que produziu os dois últimos álbuns de Bruce Springsteen. “Eu disse a qualquer um que se envolveu musicalmente para esquecer minhas outras gravações,” diz ela. “Eu não queria que tivesse relação com as produções do Mutt. Eu queria uma abordagem mais orgânica.” O resultado é menos pop do que seus hits dos anos 90. “Eu estava refletindo na escuridão,” conta ela. O álbum ainda não tem título, mas ela planeja lançar um single em Março e o álbum em Maio.

Twain está ciente de que está retornando a um panorama diferente de música country – um que foi pego pelos instintos pop – e uma indústria que não banca mais vendas de CD. “Passou muito tempo,” diz ela. “Quase parece uma outra vida.” Discutindo sobre o streaming das músicas, ela acrescenta, “Eu já estou adaptada enquanto ouvinte. A coisa mais divertida é que mais pessoas ouvem suas músicas.

Twain não está pensando em voltar à estrada tão cedo depois de sua turnê, exceto por uma performance no Stagecoach Festival em 29 abril. Em vez disso, ela quer começar outro álbum; ela considera a composição uma “terapia”. “Me ajudou a entender muitas coisas emocionalmente,” acrescente. “É como quando se para de chorar. Quando você terminou, está terminado e aí você segue em frente.

Fonte: Rolling Stone

Grammy Awards: Relembre as participações de Shania Twain no evento
11.02.2017
• publicado por Diego Brambilla em prêmios, retrospectiva

A maior premiação do mundo da música, o Grammy Awards está marcada para acontecer logo mais, neste domingo (12) no Staples Center em Los Angeles. Entre os escalados para as apresentações musicais da noite estão Adele, Lady Gaga, Metallica, The Weeknd, Alicia Keys, Beyoncé e Katy Perry.

Ainda sem álbum ou single novo, Shania Twain provavelmente não estará presente na cerimônia. Ainda assim, preparamos uma retrospectiva das participações da rainha da música country no evento.

Shania Twain no Grammy Awards 1996

Em 1996, Twain foi indicada sem sucesso às categorias de Melhor vocal country femininoMelhor canção country e Artista Revelação. Em sua noite de estreia na premiação, porém, a cantora levou para a casa apenas o prêmio de Melhor álbum country por “The Woman in Me“. Ainda durante a cerimônia, a cantora se apresentou no palco ao som de seu hit “Any Man Of Mine“.

Shania Twain no Grammy Awards, 1999

Já na 41ª edição do evento, Shania levou para a casa os prêmios de  os troféus de Melhor Canção CountryMelhor Performance Vocal Country Feminina por “You’re Still The One”, canção de seu terceiro álbum de estúdio “Come On Over“. Naquela noite, a cantora também se apresentou ao som de um de seus grandes hits, “Man! I Feel Like A Woman!

No ano de 2000, “Come On Over” rendeu os prêmios de Melhor voz feminina em performance country com “Man! I Feel like a Woman!” e Melhor canção country com “Come on Over“. Naquela noite, a cantora não compareceu à premiação.

Embora Shania ainda tenha sido indicada a prêmios Grammy até o ano de 2005, a cantora não compareceu a nenhuma outra cerimônia e nem levou outros prêmios para a casa. Ao todo, a cantora acumula 5 prêmios Grammy em toda a sua carreira.

Como de costume, o Grammy Awards será exibido pela emissora CBS nos Estados Unidos e no Brasil, pelo canal TNT. O evento acontece às 23h, horário de Brasília. O tapete vermelho será transmitido pelo canal E! a partir das 22h.

Shania Twain coloca à venda mansão nas Bahamas!
29.01.2017
• publicado por Diego Brambilla em Notícias

Shania Twain pode estar deixando às Bahamas logo logo. A imobiliária Sotheby’s está sendo a responsável pela venda da luxuosa mansão de Twain. A imobiliária, especializada em casas de luxo já colocou fotos e vídeos da propriedade em sua conta no YouTube.

Propriedade de Shania Twain nas Bahamas está a venda!

De acordo com o site da imobiliária, a propriedade está sendo vendida por US $12,9 milhões de dólares. A mansão, localizada na Ocean Drive em Nassau, conta com 7000 pés quadrados. Construída em 2004, conta com 5 quartos, 6 banheiros, 1 sala de mídia e piscina. Os quartos são luminosos e espaçosos, todos com vistas para a praia. Além disso, conta com um apartamento de hóspedes, lavanderia e uma doca para acomodar um barco. Os corretores responsáveis pelo imóvel são Samira Coleby e Mark Hussey.

A imobiliária também disponibilizou um vídeo com imagens da mansão.

Nós preparamos algumas comparações com imagens do vídeo, e imagens postadas por Twain em sua conta pessoal no Instagram:

Sala de estar mansão de Shania nas Bahamas

Sala de estar da mansão de Shania nas Bahamas

Sala de mídia da propriedade de Shania nas Bahamas

Sala de mídia da propriedade de Shania nas Bahamas

Vista para a piscina da propriedade de Shania nas Bahamas

Vista para a piscina da propriedade de Shania nas Bahamas

Estúdio da propriedade de Shania nas Bahamas

Estúdio da propriedade de Shania nas Bahamas

Para os interessados, o contato com os corretores pode ser feito por meio do site oficial da imobiliária. É provável que, agora, com a venda da mansão, Twain retorne para a Suíça, onde também possui outra propriedade. Especula-se que a cantora esteja vendendo a propriedade, devido ao lançamento de seu próximo álbum de estúdio, que exigirá viagens e longos períodos longe da propriedade, porém, Twain ainda não se pronunciou sobre sua possível mudança e sobre as razões de deixar o imóvel.

Fonte: Imobiliária Sotheby’s

Bastian Baker fala sobre sua relação com Shania Twain
28.01.2017
• publicado por Diego Brambilla em Entrevistas

O cantor suíço Bastian Baker, dono de sucessos como “Lucky“, em uma entrevista recente ao site The National, falou sobre sua relação com a cantora country Shania Twain. O cantor, que abriu shows durante a turnê de despedida de Twain, mencionou: “Eu me tornei muito próximo de Shania Twain.”

O cantor afirma ter conhecido Shania no Festival de Jazz de Montreux, há alguns anos atrás. Segundo ele, ela se tornou sua mentora: “Ela se tornou uma boa amiga. Sempre que eu tiver uma nova canção, eu a tocarei para ela e ela me dará um conselho incrível na produção e composição. Então, ela é como minha mentora.

Além de terem estado juntos durante a Rock This Country Tour em 2015, Bastian e Twain também estiveram juntos durante o afterparty do programa Shania Kids Can, que ocorreu em 2014 em Las Vegas. Para Shania, Baker “é muito talentoso, um ótimo cantor e compositor, um bom contador de histórias”.

Fonte: The National

CBS aponta quais as melhores – e as piores – performances do Super Bowl
28.01.2017
• publicado por Diego Brambilla em Notícias

No dia 5 de fevereiro, Lady Gaga comandará o show de intervalo do Super Bowl, o campeonato da NFL. Com a proximidade da data, a emissora de TV CBS decidiu elencar as maiores performances do evento dentre todas as edições.

Em primeiro lugar, o cantor Prince aparece pela sua participação em 2007. Beyoncé aparece logo em 2º lugar, pelo Super Bowl de 2013 e em 3º está Michael Jackson, com sua icônica – e inesquecível – performance em 1993.

A cantora country Shania Twain, que se apresentou no evento em 2003, entrou para a lista da CBS, com a 16ª colocação. O principal “erro” de Shania, segundo a publicação, foi o uso de playback durante sua apresentação. “Shania gritando ‘let’s go football fans’ talvez tenha sido o único momento em que seu microfone estava ao vivo“, escreveu o canal. Na ocasião, Twain apresentou dois de seus hits, “Man! I Feel Like A Woman!” e “Up!

“A performance de “Formation” de Beyoncé, um hino sem preconceitos, criou alguma controvérsia”

Para os editores da matéria, a pior performance de todos os tempos ficou por conta de Coldplay, Bruno Mars e Beyoncé. Na justificativa, o canal escreveu: “Podemos estar divididos como americanos, mas uma coisa quase todo mundo concorda: Coldplay é uma droga. A banda funcionou muito bem como slogan para ‘O Virgem de 40 Anos’, mas como headliner do maior Super Bowl de todos os tempos? Ideia terrível”. Desta forma, para o canal, apenas a apresentação de Bruno Mars e Beyoncé salvaram o show.

Fonte: CBS Sports

brantleygutierrez-01.jpg
billboard2016-11.jpg
billboard2016-10.jpg
billboard2016-09.jpg
billboard2016-08.jpg
billboard2016-07.jpg
billboard2016-06.jpg
billboard2016-05.jpg
269.jpg
268.jpg
267.jpg
st1989-81.jpg
st1989-80.jpg
st1989-79.jpg
st1989-78.jpg
st1989-76.jpg
st1989-77.jpg
st1989-75.jpg
st1989-74.jpg
st1989-73.jpg
st1989-72.jpg
st1989-71.jpg
st1989-70.jpg
st1989-69.jpg
st1989-68.jpg
st1989-67.jpg
st1989-66.jpg
st1989-65.jpg
st1989-64.jpg
st1989-63.jpg
st1989-62.jpg
st1989-61.jpg
st1989-60.jpg
st1989-59.jpg
st1989-58.jpg
st1989-57.jpg
st1989-56.jpg
st1989-55.jpg
st1989-54.jpg
jailathon-03.jpg