Shania Who?

Shania Twain é cantora, compositora, produtora e escritora canadense, e um dos grandes nomes da música country no mundo todo. Atualmente possui cinco álbuns de estrondoso sucesso.

[REVIEW] Shania Twain se mostra verdadeira em seu corajoso novo álbum

Shania Twain retorna aos olhos do público em estilo confessional nessa semana. Seu novo álbum, “Now”, é um registro verdadeiramente cru e revelador de um ícone do pop-country, e que convida os fãs para dentro de seu proverbial círculo de confiança. “Now”, um projeto de paixão nascido da devastação pessoal e da recuperação, é o quinto álbum de estúdio da carreira de Twain, e já faz muito tempo. Ela tem trabalhado nisso há, pelo menos, quatro anos, repensando sua data de lançamento muitas vezes, enquanto procurava escrever todas as músicas sozinhas, encontrar uma equipe de produção adequada e reabilitar sua voz depois que quase a perder graças à doença de Lyme.

Mas o que surgiu marca um novo capítulo para uma artista frequentemente reclusa. Twain abre detalhes sobre seu divórcio e suas consequências, abraça um revestimento de prata e dá ao seu som, uma reforma completa, rumando aos fãs de longa data e à nova geração. É tentador descrever suas novas músicas como “com alma”, mas a realidade é que a música de Twain nunca antes foi tão obscura, e isso é o que a torna interessante. Enquanto faixas como o primeiro single “Life’s About to Get Good” e seu acompanhamento “Swinging With My Eyes Closed” estão enraizadas na positividade, outras como “I’m Alright” se destacam pela sua brutal honestidade. Os versos de abertura da música foram diretos ao momento em que o ex-marido e ex-produtor de Robert “Mutt”, Lange informou-a sobre o caso que tinha com a melhor amiga de Twain:

Você me deixou ir
Você teve que tê-la
Você me disse devagar
Eu morri mais rápido
Você disse se cuida
Não fique triste garota
A vida não é justa
É um mundo louco
Mas eu não sou louca
Já abaixei essa pílula.

Da mesma forma, a balada do piano “Where Do You Think You’re Going” é preenchida com emoções conflitantes e entregue com uma voz raspada que evoca memórias da trágica estrela Amy Winehouse. Delicada, vulnerável e desafiadora, parece viver no limbo entre descrença e aceitação. “No caso de você nunca olhar para trás”, Twain começa, “eu quero que você saiba que / Você foi amado como louco / Espero que você viva o suficiente / Para mudar de ideia”.

Mas enquanto os detalhes da separação são afiados – e suculentos – por outro lado, a resiliência de Twain brilha. Ela soa francamente aliviada em “Home Now”, e a pegada peculiar de “Let’s Kiss and Make Up” mostra que ela não desistiu do amor. (Desde 2011, Twain casou-se com o empresário suíço Frédéric Thiébaud, anteriormente casado com o ex-melhor amigo acima mencionado).

Ao longo das 12 músicas (16 na edição deluxe), Twain brinca com um novo som após o outro. Ela as co-produziu com uma equipe de quatro guias de estúdio não-country – Ron Aniello, Jake Gosling, Jacquire King e Matthew Koma – trabalhando para emparelhar elementos de seus sucessos maciços dos anos 90 com a diversidade do novo country.

As batidas de abertura de “Swinging With My Eyes Closed”, por exemplo, vão lembrar muitos de “Any Man of Mine”, e é provavelmente por isso que foi escolhida como o segundo single. Enquanto isso, o violão e a batida do rock country de Twain acostumados à perfeição volta ao longo do álbum. Mas, por bem ou por mal, é a infusão do eletropop, batidas do euro-clube e até mesmo de reggae lento que definem o novo som de Twain.

Se isso parecer fora de contexto, lembre-se de que isso é o que colocou Twain no mapa em primeiro lugar: combinar o moderno com o tentado e verdadeiro. Mesmo assim, provavelmente haverá muitas críticas quanto à abordagem, bem como a falta de enormes refrões clássicos instantâneos – como se fossem fáceis de encontrar. Mas não há nada para a cantora alcançar comercialmente, e isso não parece ser o que Twain está procurando com “Now”. Os dias de vender 40 milhões de cópias por um álbum como “Come On Over” já foram, então, encare isso como uma artista lendária que procura provar seu próprio valor criativo – para si mesma acima de qualquer outra pessoa.

Ainda assim, é difícil não comparar o que Twain faz com o sucesso monumental de seu passado. Ela definiu a barreira entre o country e o pop e levou o gênero ao caminho da expansão, que ainda segue até hoje. Mas o formato mudou desde o tempo que esteve sob os holofotes, e uma geração inteira já passou – é sério, e passaram 20 anos.

Seria loucura comparar “Now” com o seu trabalho inicial. Em vez disso, pense nisso como uma artista sem muito para ganhar, que sempre foi sensível aos holofotes, a caminho de compartilhar algo profundamente pessoal. Goste ou não, isso carrega coragem.

Chris Parton
NASHVILLE SCENE


Publicado por Diego Brambilla

COMENTÁRIOS