Shania Who?

Shania Twain é cantora, compositora, produtora e escritora canadense, e um dos grandes nomes da música country no mundo todo. Atualmente possui cinco álbuns de estrondoso sucesso.

Shania Twain comenta sua relação com a comunidade LGBTQ

Enquanto comemora o sucesso de seu novo álbum “Now”, a cantora Shania Twain, em entrevista ao site Pride Source, falou da influência e da inspiração vinda do público LGBTQ.

“Eu acho que mais do que qualquer coisa, eu estou inspirada pelo espírito de onde a comunidade gay está agora e essa convicção de ser quem você é. Eu adoro defender isso.”

Além disso, Twain também contou sobre a experiência que teve ao assistir um show de transformistas em Las Vegas, em 2013 e prometeu que durante a sua próxima turnê – que deve se iniciar em maio de 2018 – os figurinos icônicos com estampa de leopardo, estarão inclusos.

“Devo ter um pequeno momento de flashback aqui e ali sim!”

A superestrela country também relembrou a experiência no especial Divas Live de 1998, produzido pela emissora americana VH1 e ainda falou sobre Aretha Franklin, Celine Dion e Mariah Carey.

“Eu sempre gosto de assistir Mariah quando ela está ao vivo, e Celine também. Foi um grupo maravilhoso, realmente fantástico.”

Confira abaixo a matéria completa traduzida:

Ao contrário da crença popular, algumas coisas impressionam Shania Twain. O ícone do country-pop e a estampa de leopardo têm grande admiração dos fãs LGBTQ, que ela diz ter se tornado guias em sua própria vida.

A história inspiradora de Twain é de sobrevivência, desde as dificuldades de sua infância na pequena cidade de Timmins, Ontário, onde criou seus três irmãos mais novos depois que seus pais morreram em um acidente de carro em 1987, até o divórcio de Robert “Mutt” Lange, produtor do gigante crossover de 1997 “Come on Over”. O álbum country mais vendido de todos os tempos mudou o cenário com um histórico impressionante – 40 milhões de cópias vendidas globalmente, 50 semanas no topo das paradas country da Billboard ao longo de três anos, 11 singles lançados – e Twain ainda é campeã no campo das artistas femininas.

Quinze anos depois de ter lançado seu último registro, “Up!”, de 2002, Twain, 52, está novamente demonstrando o status arrasador para sua legião de fãs leais. Nem mesmo um distúrbio de voz neurológico, chamado disfonia, conseguiu manter a transgressora de gênero, que achou que nunca mais cantaria, de gravar seu quinto LP, o atrasado, “Now”. Lançado em setembro, Twain escreveu todas as músicas, e seu resumo brilhante ficou ainda mais brilhante quando o álbum apanhou instantaneamente o n.° 1 da Billboard e das paradas country.

O retorno da rainha do country-pop foi um livro aberto durante nossa conversa recente, falando apaixonadamente e com franqueza sobre seu ativismo LGBTQ no início de sua carreira no country, em 1993, tendo que “concordar em discordar” com aqueles que não são a favor dos homossexuais e trazendo drag queens junto com “Man! I Feel Like a Woman!

Mas, também, você não recebe Shania Twain no telefone sem se lembrar do “Divas VH1” de 1998, quando Twain compartilhou o palco com uma mistura épica de ícones – Aretha Franklin, Mariah Carey, Celine Dion e Gloria Estefan – para uma das noites mais lendárias, adoradas pelos homossexuais, na história das divas (e dos cabelos).

Você tem luvas com estampa de leopardo suficientes para distribuir a todos os gays para participar da celebração do seu retorno?

(Risos) Eu deveria fazer isso, certo? Qual você acha que seria o tecido preferido? Seda ou…?

Veludo.

Sim, veludo.

Precisamos de um milhão deles até amanhã. Mas, primeiro, Shania, depois de todos esses anos, como você explica sua conexão com a comunidade LGBTQ?

Eu realmente não consigo explicar minha conexão de forma teórica. Mas eu diria que minha intenção é inspirar e me conectar com as pessoas, me relacionar. Eu acho que é isso que ressoa– nos relacionamos uns com os outros, nos relacionamos com a luta e, em seguida, sobrevivemos e comemoramos quem somos e o que somos e apreciamos isso como uma comunidade de pessoas, independentemente do que seja. Apenas comemorar juntos a natureza de algumas dessas músicas, e neste novo álbum também existem várias.

Existe algo específico que você deseja transmitir ao público LGBTQ com este álbum?

Sobreviver contra as dificuldades. Uma música como “I’m Alright” – apenas essa declaração e dizendo a si mesmo: “Estou bem. Eu fiz isso. Eu sobrevivi”. E com os punhos pra cima, com convicção.

Como foi a sua introdução à comunidade gay?

Eu trabalho com muitas pessoas gays e elas são apenas uma parte do meu mundo familiar quase diário. Então, eles são apenas parte dos meus amigos e da minha comunidade. Eu acho que aumentou quando comecei a ser bem-sucedida, eu estava realmente cercada por pessoas criativas, e muitas pessoas criativas nesta indústria são homossexuais, homens e mulheres. Isso simplesmente se torna a norma.

Durante alguns dos seus momentos difíceis, você conseguiu algum sábio conselho de seus amigos gays?

Ah, tive bons conselhos de amigos gays o tempo todo! (Risos) Eu acho que mais do que qualquer coisa, eu estou inspirada pelo espírito de onde a comunidade gay está agora e essa convicção de ser quem você é. Eu adoro defender isso. É tão importante ser transparente e aberto sobre quem você é e não se esconder atrás do medo.

Você se agarrou a esse sentimento como uma maneira de superar sua própria dor pessoal?

Completamente! Sabe, toda a minha transição até onde estou agora passou por enfrentar meus medos e ter esse salto de fé, e esse seria o meu conselho para alguém lá fora. Uma pessoa gay que viveu atrás de seus medos e depois faz essa valente decisão de começar a viver como quem é realmente, parar de fingir e abraçar isso – é preciso muita coragem.

Para mim, aprendi que não há tempo a perder. Você precisa dar esse salto e ser quem você é, e estamos em uma sociedade agora que está facilitando. Ainda temos um longo caminho a percorrer, mas há muito mais abertura. Mas a comunidade gay – e as comunidades minoritárias em geral – estão sempre lutando.

Eu tenho uma música no álbum chamada “Swingin’ With My Eyes Closed” que é uma música divertida, mas a verdadeira profundidade da música é sobre, mesmo quando você não consegue ver o que está na sua frente, você ainda precisa seguir adiante. Você não pode voltar para trás, você deve seguir em frente e lutar por essa liberdade para exercer independência e coragem.

Não poderia haver um momento melhor para uma música como essa. Em 2013, você twittou sobre a derrubada da Lei de Defesa de Casamento pela Suprema Corte, dizendo: “Parabéns para todos os que comemoram a igualdade hoje nos EUA #loveislove”. Por que é importante para você tomar uma posição sobre os direitos dos homossexuais e outras questões LGBTQ?

Eu me sinto muito triste por qualquer tipo de opressão em nossa sociedade nos dias de hoje. Quero dizer, é tão negativo. A igualdade deve ser automática, de todas as formas. Precisamos ter um respeito mútuo. A supremacia de qualquer tipo é um veneno. Eu simplesmente sinto que não estamos acima um do outro, de modo algum, e o respeito mútuo e a admiração pelas habilidades, talentos, coração, compromisso, individualidade – sabe, o que isso tem a ver com qualquer status de minoria com o qual possamos ser rotulados hoje, o que quer que seja? Certamente, eu sei que os gays sentem isso.

Como se sente ao saber que suas músicas “Forever And For Always” e “From This Moment On” provavelmente foram a primeira dança em vários casamentos do mesmo sexo?

Awww! Isso é adorável. É tão adorável. Mas o amor é lindo e a música faz parte de nossas vidas e de momentos monumentais de nossas vidas.

Como a música country tem sido considerada conservadora em seus pontos de vista, poderíamos falar tão abertamente quanto agora sobre questões LGBTQ no início de sua carreira?

Sabe, eu fiz. Você sabe do que se trata realmente? Trata-se de igualdade, trata-se de respeito mútuo. E se você tem realmente essas coisas na vida, então por que haveria limites? Por que você ficaria de fora? Por que você desenharia uma linha separando isso?

Na comunidade country, acho que se trata do medo de potencialmente alienantes fanáticos conservadores.

Eu acho que todos têm o direito à sua opinião, e eu nunca discutiria. Essa é uma grande parte da liberdade de expressão e do respeito mútuo, tendo o direito a sua própria opinião. Se você não é a favor do gay, então você não é a favor do gay, e nós apenas concordamos em discordar. Eu nunca entraria em uma briga com alguém que não concordou. Eu apenas acho que isso não seria produtivo. Então, acho que todos nós temos que respeitar as opiniões uns dos outros sobre essas questões.

Mas, escute, com uma música como “Man! I Feel Like a Woman!” – e isso faz, o que, 20 anos?- acabou há muito tempo. Muitos homens heteros cantam “Man! I Feel Like a Woman!” só pelo entretenimento puro dela. Então, acho que músicas como esta foram ótimas, talvez, contribuíram para nos unir, se não por outra coisa, apenas pelo denominador comum da música e possuir isso pelo que quer que seja para eles, e isso quebra as barreiras.

Como você reflete seu estilo fluído de gênero, quando você vestiu roupas masculinas, nesse vídeo?

Gosto de ter um senso de humor sobre tudo, especialmente coisas que podem ser tensas. Uma música como “Man! I Feel Like a Woman!” acho que acabou para mim. A questão do público não é algo sobre o qual eu me preocupo. Eu respeito o meu público e agradeço-os por se relacionarem com a minha música, independentemente do seu ponto de vista sobre o que quer que seja, seja política ou questões sociais. Não estou aqui para julgar.

Conte-me sobre a primeira vez que você encontrou uma Shania drag queen.

Fui a um show de transformistas em Las Vegas e foi incrível. Você está no mundo country e, talvez, como isso poderia ser mais conservador, mas engraçado, três dos artistas que estavam no show eram eu, Reba McEntire e Dolly Parton, então achei maravilhoso. É assim, “OK, somos artistas country e estamos lá!” Qualquer artista que seja, em um nível visual significativo, faria um grande assunto numa noite de transformistas!

Qual é a única coisa que uma drag queen não pode se esquecer se realmente quiser se sentir como Shania Twain?

Provavelmente algo com estampa de leopardo, e eu diria uma cartola. E as botas, com certeza!

Para homens homossexuais de todos os lugares, 1998 foi um dos melhores anos, já que foi a inauguração do “Divas VH1”, a melhor e mais emblemática. Não tem melhor do que você, Mariah Carey, Gloria Estefan, Celine Dion, Aretha Franklin e a artista convidada Carole King. Destas, com quem você ainda está em contato?

Mariah Carey. Celine Dion. Nós ainda nos cruzamos – é ótimo. Eu sempre gosto de assistir Mariah quando ela está ao vivo, e Celine também. Foi um grupo maravilhoso, realmente fantástico.

Quem mais viveu com o título de diva durante o show?

Eu acho que Mariah teve os cabelos maiores, então provavelmente ela. (Risos)

Você estava em segundo lugar, eu acho.

Eu estava! Eu disse: “Tudo bem, eu tenho que olhar para o cabelo de Mariah. Eu quero que o meu seja tão grande quanto o dela”, porque ela tem esse cabelo naturalmente grande e incrível. Então eu estava tipo “Vamos, vamos lá. Eu sei que Mariah vai ter cabelos maiores do que eu, então eu irei por esse caminho e me divertirei com isso”. Ela tem aquele cabelo que eu quero, naturalmente grande com esta onda maravilhosa e aqueles cachos.

Quando todas cantaram “Natural Woman”, eu não tive certeza de quem estava roubando o foco: o cabelo de Mariah ou Aretha.

(Risos) Eu sei! Ninguém pode tirar o foco da Aretha.

Se você estivesse em outro “Divas”, com que outra diva você gostaria de cantar?

Rihanna, com certeza. Ela é formidável. Adoro a voz dela. Nunca me canso. Nunca, nunca. E ouvimos tanto no rádio, certo? Ela está a cada duas músicas no rádio e eu nunca me canso disso. Mesmo com “Love on the Brain” – quero dizer, simplesmente não pode ser melhor do que isso. Então, ela definitivamente estaria na minha lista.

Estou esperando que você e Taylor se juntem – nossas duas rainhas do country que foram para o pop.

Taylor seria bom. Ela seria uma obrigação no “Divas”, com certeza. Ela é demais. Ela é uma pessoa tão criativa e uma super compositora e realmente usa seu cérebro, então é adorável vê-la.

Por último, quantas mudanças de roupa o público gay espera quando você cair na estrada?

(Risos) Quantos um público gay poderia achar ideal, você acha?

Pelo menos 15.

(Risos) Whoa. OK, essa é uma grande demanda. Eu teria que trocar a cada duas músicas!

Enquanto você divulgar os figurinos icônicos, sem problemas.

Devo ter um pequeno momento de flashback aqui e ali sim!

Chris Azzopardi
PRIDE SOURCE


Publicado por Diego Brambilla

COMENTÁRIOS