Shania Who?

Shania Twain é cantora, compositora, produtora e escritora canadense, e um dos grandes nomes da música country no mundo todo. Atualmente possui cinco álbuns de estrondoso sucesso.

Shania Twain concede nova entrevista à revista Variety

Continuando com a turnê de divulgação do álbum “Now”, Shania Twain concedeu esta semana entrevista ao site da revista Variety, onde falou sobre a composição de algumas músicas do álbum, sobre o sucesso de sua carreira no passado e reafirmou “Eu direi que definitivamente não é o álbum de divórcio”.

Confiram a entrevista completa traduzida:

O novo álbum de Shania Twain, “Now“, lançado em 29 de setembro, chegou 15 anos depois de ela cantar “Não há lugar a não ser pra cima daqui!” Essas palavras – do líder das paradas de 2002, “Up!” – não poderiam ser mais proféticas, já que Twain passou por algumas reviravoltas antes de voltar a gravar, incluindo alguns problemas vocais que quase deram fim à sua carreira e o fim de um longo relacionamento com seu produtor e co-compositor, que também era seu marido.

Por coincidência, 2017 também marca o 20º aniversário de “Come On Over”, não apenas o seu maior álbum – com 20 milhões de vendas nos EUA, e possivelmente o dobro mundialmente – mas perto de ser o maior álbum de qualquer um. Foi classificado pela RIAA como número 8° na lista dos mais vendidos de todos os tempos, mas se você tirar os álbuns duplos, onde cada disco individual duplica o total, o álbum de Twain ficaria em 4º. Com um histórico que inclui esse e outros dois álbuns certificados como diamante – “The Woman in Me” de 1995 e “Up!” – Twain, 52, claramente nunca mais precisaria lançar outras músicas para continuar nas arenas, mas os fãs queriam ouvir o resto da história, como Paul Harvey teria dito.

“Em nível de negócios, a turnê é a chave para a maioria dos grandes artistas”, diz seu empresário, Scott Rodger, da Maverick, “mas não é sua primeira prioridade. Os artistas são impulsionados para criação e lançamento de novas músicas e é a coisa mais importante em suas carreiras. Quanto a Shania, sabemos que, de acordo com as vendas, não poderemos competir [com o catálogo], como qualquer artista faria no cenário musical atual, então você tem que deixar de lado qualquer conceito de venda de 40 milhões de álbuns. Isso nunca mais acontecerá. Além disso, uma mulher de 50 anos, enfrenta desafios no rádio, especialmente na rádio country, que é tão fortemente dominada por artistas masculinos. Nossas opções são extremamente limitadas para a exposição – esse é o motivo pelo qual nos concentramos muito em performances e aparições de TV para criar consciência em torno da versão do álbum. Liberar novas músicas também estimula o repertório anterior e aumenta a conscientização para oportunidades de licenciamento, além de transmissão.”

Rodger observa que Twain está “dirigindo completamente o navio aqui”, escrevendo o próprio álbum inteiro e sendo a mão orientadora com os coprodutores, ao contrário dos três grandes álbuns em que Robert “Mutt” Lange a conduziu. Os críticos ficaram surpresos com o quanto “Now” parece ser uma continuação dessa corrida clássica, embora com alguns versos que fazem pit-stops em alguns lugares mais escuros do que “I’m Gonna Getcha Good!

A Variety falou com Twain sobre a década passada e sua amadurecida na música, o seu próximo retorno à estrada e como ela se sentiu há 20 anos quando “Come on Over” realmente fez dezenas de milhões de fãs parar.

Alguns anos atrás, você anunciou uma turnê de despedida. Agora você está se preparando para outra turnê. O que mudou sua opinião sobre se retirar da estrada?

Tudo realmente se resumiu nos problemas com a voz e as questões vocais. Eu estava empurrando meus limites ao finalizar a residência de Las Vegas depois de dois anos. Mas eu tinha feito melhor do que eu esperava lá, e isso deu o impulso que eu precisava para entrar na ideia de viajar de novo. Eu estava disposta a aproveitar e terminar essa fase da minha carreira em turnê e não no ambiente confortável [de Las Vegas]. Foi um pouco um desafio, e uma decisão pessoal como artista, encerrar essa parte da minha carreira nas cidades dos fãs, então eles não estavam vindo até mim, mas eu estava indo até eles. Mas isso (turnê de despedida) foi melhor do que o esperado. Então, agora, meu pensamento é, bem, vou encarar um dia de cada vez, e se der certo, então eu continuo fazendo isso até que não funcione mais.

Alguns anos atrás Taylor Swift escreveu um álbum inteiro sozinha, em parte para provar aos difamadores, que achavam que outros faziam o trabalho pesado, que eles estavam errados. Ao escrever “Now” sozinha, houve algum aspecto semelhante ao sentir que tinha algo a provar?

Era definitivamente uma questão de provar as coisas, mas provando isso para mim. Eu estava fazendo isso pela primeira vez em um longo, longo tempo, sem Mutt como meu produtor e meu co-escritor. Nesse relacionamento, eu também escrevia o tempo todo sozinha, mas então eu levava esse material para Mutt e nós ajudávamos um ao outro e colaborávamos com isso. Mas antes de conhecer Mutt, eu estava escrevia inteiramente sozinha. Quando esse relacionamento acabou, eu precisava me reencontrar com aquela compositora que eu era antes de conhecer Mutt e voltar para esse isolamento que eu realmente amo. Eu gosto da independência. Eu gosto de não ter necessariamente esse feedback, para ser honesta. Eu gosto de não ter inibições e não ter ninguém para interferir com o que estava pensando ou sentindo antes de ter tido a chance de avaliar isso mais tarde. Eu só precisava saber que essa escritora (solo) ainda estava lá, intacta. Mutt sempre me respeitou como compositora e sempre estava desenhando (certas coisas) fora de mim de qualquer maneira. Mas, havia outras coisas com as quais eu não estava em contato há anos. Por minha conta, adoro ir aos acordes menores. Eu amo minha coisa de harmonizar duas notas – várias coisas que eu passava sendo escritora mais jovem. Sem mais pessoas envolvidas, esta é realmente a música mais pura que já gravei.

A única música nova que as pessoas ouviram nos últimos anos foi um single chamado “Today is Your Day.” Eu me perguntei se todo o novo álbum seria dessa veia inspiradora, ou se você se deixaria escurecer, um pouco. E você fez.

Eu escrevi canções ainda mais obscuras do que as que estão no álbum, ou versões mais escuras de algumas dessas músicas. Compôr é minha terapia. Em alguns casos, acabei por abandonar certas letras ou até certas batidas. Eu entraria em um estado mais feliz, deixando isso um pouco mais leve. Eu estava riscando todo tipo de porcaria na minha mente e no meu coração, e, finalmente, acabei me sentindo melhor, então as músicas acabaram sendo mais otimistas do que quando eu comecei. É um registro de uma jornada pessoal mais do que um exercício de criação de álbuns. Não sei se já escreverei um álbum assim de novo, porque isso é muito exclusivo do que eu estava passando.

Você precisou fortalecer a coragem para compartilhar alguns dos materiais mais vulneráveis desse álbum?

Não acho doloroso. Eu acho útil falar sobre isso. Compartilhar, cura.

Você disse recentemente: “Este não é o meu álbum de divórcio”. Mas a maioria de nós, ouvindo isso, vai pensar que muitas das músicas têm a ver com o divórcio e o novo casamento e encontrar-se novamente. Você disse que é muito autobiográfico Então, onde ele se encaixa na escala confessional?

Eu direi que definitivamente não é o álbum de divórcio. O álbum de divórcio teria sido um álbum muito diferente. [Ela ri em voz alta.] Há algumas músicas que são absolutamente sobre minha experiência de divórcio. Este álbum é realmente sobre um período de transição e evolução para mim, e o divórcio é absolutamente uma das experiências fundamentais dessa jornada. Mas existem muitas outras coisas, muitas referências e quem ouvisse não saberia de que parte da minha vida eu estava me referindo, então talvez eles simplesmente peguem como sendo o divórcio.

Você pode citar uma em que as pessoas podem assumir que é sobre o divórcio e não é?

Where Do You Think You’re Going” é mais sobre meus próprios pais me deixando, morrendo. Ou perda em geral, sobre quando você perde algo ou alguém e não há nada que você possa fazer sobre isso – essa desamparo que você sente… Há tantas coisas sobre meu dia a dia e minhas visões pessoais, jornalísticas das coisas. “Kiss and Make Up” veio do meu marido atual, eu tenho um pequeno argumento, eu fui e escrevi essa música, e essa música liberou isso.

“Soldier” foi licenciada para um novo filme que é realmente sobre soldados, “Thank You for Your Service”. Mas não parece que você estava necessariamente pensando nisso no sentido literal quando você o escreveu.
Quando eu escrevi “Soldier”, eu estava pensando em meu filho, a ansiedade da separação, e penso nele fazendo seu caminho pela vida. Eu tenho meu filho aqui comigo, mas mesmo apenas dizendo adeus para ir à escola, eu sinto isso. E acho que muito disso vem de perder meus próprios pais tão de repente, sem poder me despedir. Eu pensei em outras famílias que têm um membro militar indo servir, e quando eles dizem adeus, eles realmente podem nunca mais ver essa pessoa. Nos tempos em que estamos, sempre tendo discussões na televisão sobre militares e guerras aqui e ali, eu sou afetada, como todos os outros. Estou preocupada… Essa música começa com “Não feche a porta quando você sair”. Normalmente, você diria a alguém, se estiver frio, para fechar a porta. Mas isso é: não feche a porta atrás de você, porque não me importo se está frio, talvez nunca mais te veja, e eu só quero que você me prometa que você estará de volta… Estou chorando, Estou tão emocionalmente envolvida nisso. E quando eu vi o filme, se ajustou tão perfeitamente. Eu chorei muito quando escrevi essa música, então estou feliz que a música tenha encontrado um lar tão apropriada.

“More Fun” está na extremidade oposta em tom. Eu imagino que a música deve ser sobre seu eu mais jovem, porque eu não vejo você sair muito atualmente. Ou talvez você saia – o que eu sei? [Ela ri.] Mas parece relembrar.
Bem, eu estava relembrando. Eu estava realmente sentada em um quarto de hotel no andar superior assistindo milhares de fãs indo para um jogo de beisebol, enquanto eu estava com gripe, e eu estava com ciúmes – eu realmente queria ir. Eu realmente sentia pena de mim e pensei: “Ah, cara. Eu tenho que sair mais”. Eu estava trabalhando muito durante a turnê, e isso parecia mais divertido. Está refletindo nos anos em que a diversão era apenas uma coisa cotidiana que você considerava uma necessidade.

Falando de menos diversão, suas memórias fazem parecer que o período em torno do “Come On Over” não foi tão divertido para você. A histeria em torno desse álbum realmente não diminuiu por anos. Você teve oito singles, e estourou a Europa dois anos depois de ter estourado na América, e estourou no pop depois de estourar no country. No livro, você diz: “Eu estava exausta e, apesar de ter ficado emocionada com o sucesso, temi que nunca acabaria: o trabalho, a viagem, a solidão”. É difícil agradecer quando você está exausto. Foram necessários vários anos para entender o que aconteceu?

Não houve um momento de impacto em nenhuma dessas músicas, praticamente. Todo mundo estava fazendo coisas em diferentes momentos de maneiras diferentes. Então, foi um momento muito longo, grande e incrível, acho, por 12 anos seguidos. Eu não tinha perspectiva; Eu não era muito objetiva nisso, porque fiquei isolada. Eu gosto de me isolar quando sou sendo criativa e escrevendo ou no estúdio, mas, de outra forma, é muito difícil lidar com isso. A solidão é uma coisa terrível. E a carga de trabalho foi ultrajante. E muitas pessoas foram graciosas o tempo todo comigo. Eu acho que nem sempre me senti bem recebida. Foi difícil. Foi um período emocionante na minha vida, mas não foi o período mais divertido da minha vida. Olhando para trás agora, estou aproveitando mais de onde eu estive do que jamais fiz quando estava acontecendo. Mas era difícil escapar, então. Normalmente, se você estiver em uma carreira de alto estresse, você pode tirar férias e fazer uma pausa. Quando você é uma celebridade em um nível alto, quase não há nenhum lugar onde você possa ir, em qualquer lugar, no mundo que lhe dará essa verdadeira parada, onde não há um gatilho em algum lugar que o levará de volta ao seu quadro profissional. Há uma segurança e logística que você nunca pode realmente conferir. Isso afeta você, especialmente se você é uma pessoa mais nova. Mas eu já estava nos meus 30 anos quando já começou.

Então você sente que ajudou um pouco, que você estava melhor preparada para lidar com tornar-se uma superstar aos 30 anos do que alguém mais fresco?

Sim. Eu não fiquei totalmente louca. [Risos.]

No seu livro, você escreveu: “Quebrar recordes não foi o motivo que entrei na música. Esta é uma forma de arte, não um esporte como o hóquei”. Mas para aqueles de nós que mantêm a pontuação, há tantas estatísticas surpreendentes sobre “Come On Over”. É o álbum mais vendido de uma artista feminina, o quarto maior álbum de todos os tempos, o segundo maior da era Soundscan. Ele atingiu um recorde de maior permanência no top 20 dos 200 melhores na Billboard. E, em seguida, um fato adicional, estranho: com todo esse sucesso alongado, nunca foi na verdade o número 1 na parada da Billboard. Isso sugere que, quando saiu, você ainda não estava no nível de superstar.

Os maiores artistas da época, os que lideravam a carga, estavam vendendo 3 milhões de álbuns. Isso era um sonho por si só, se eu tivesse imaginado estar naquela categoria. Então eu tive que parar de contar depois disso. Eu estava tipo: “Vou deixar a contagem para vocês, pessoal, eu vou sair e fazer o que eu faço”. Eu nunca segui essas coisas. E muitos dos meus maiores sucessos não foram número 1 em determinadas paradas. Então, me pareceu que não é realmente relevante no final. Eu não sei sobre os outros, mas, no meu caso, de qualquer forma, é o público que me fez tão grande quanto sou, e não necessariamente uma coisa interna minha. Não foi uma coisa inventada. Foram apenas os fãs, em seu próprio ritmo e em seu próprio tempo, agarrando músicas particulares ou álbuns particulares. Era quase um pouco aleatório, da maneira como as coisas acabavam de contar. Mas agora é divertido olhar para trás em tudo e ver o quão impactante foi.

Você tem uma música favorita de “Come On Over” 20 anos depois, ou você acha que foi subestimado?

Mmm, essa é uma boa pergunta, porque às vezes eu nem me lembro de quais músicas estavam em quais álbuns. Eu sei que entre os lançamentos houve certa distância, mas eles correram juntos de muitas maneiras. Às vezes eu tinha ideias que chegaram ao “Come On Over” que eu comecei a escrever durante o “The Woman in Me”. Então, para mim, o álbum em que as músicas terminaram não é tão claro. Então, provavelmente vou dizer algo que estava em “Up!” [Risos.] Eu sei que estamos falando sobre o aniversário de 20 anos de “Come On Over”. Mas eu penso em “The Woman in Me” – que, obviamente, está no “The Woman In Me”. Eu sempre pensei que era uma música que deveria ser re-gravada (como um cover por outra pessoa). E “From This Moment On” é uma música que eu definitivamente adoraria ouvir, refeita, com uma voz muito mais poderosa e há muitos dessas cantoras agora. Talvez eu não fiz a essas músicas a justiça que mereciam, ou pelo menos, da forma como os ouvi quando escrevi. Eu lembro que quando escrevi “From This Moment On”, eu disse ao Mutt, “Sabe, eu não acho que eu deveria cantar essa música. Vamos chamar um grande cantor e levá-lo a gravá-la”. Ele foi muito insistente para eu fazer isso.

Especialmente no country, as pessoas olham para trás com carinho no final dos anos 90 como um período idílico, em que as mulheres pareciam as artistas mais fortes de todos. Pensamos que era uma época em que a janela estava aberta para que as mulheres poderosas alcançassem uma ruptura igual e que as barreiras entre o country e o pop se dissolvessem também. Mas talvez você não se lembre disso como uma janela aberta. Talvez você tenha quebrado isso.

Não, a janela definitivamente não estava aberta. Foi uma verdadeira luta na época. E a única coisa que funcionou foi a demanda dos fãs. Foi isso. Se não tivesse tido isso, nunca teria funcionado. Então, era realmente mais uma questão de, como eu os alcanço? Essa era a verdadeira dificuldade na época, muito mais do que agora, porque agora existem todos esses outros acessos imediatos à música e aos artistas que ninguém controla, o que é realmente surpreendente. Você não tinha isso 20, 25 anos atrás. (Gatekeepers) não conseguem filtrar do jeito que faziam anos atrás. Os fãs no final decidiram que queriam me ouvir e com que frequência, e isso determinava tudo. Não havia outra maneira de ter chegado a esse ponto.

Chris Willman
VARIETY


Publicado por Diego Brambilla

COMENTÁRIOS