Shania Who?

Shania Twain é cantora, compositora, produtora e escritora canadense, e um dos grandes nomes da música country no mundo todo. Atualmente possui quatro álbuns de estrondoso sucesso.

Em nova entrevista ao The Guardian, Shania Twain fala sobre sua infância, divórcio e o reencontro com sua voz

Recentemente, Shania Twain concedeu nova entrevista ao jornal americano The Guardian, onde falou dos preparativos para sua turnê mundial “Now“, que começa em maio, sua infância, os abusos de seu padrasto, seu divórcio polêmico do produtor Robert John “Mutt” Lange e o reencontro com a sua voz.

Confira abaixo a matéria completa traduzida:

Ela gravou o álbum com maior vendagem já feito por uma mulher, mas depois desapareceu dos holofotes. Prestes a começar sua primeira turnê desde 2002, ela fala sobre a infância violenta e o divórcio devastador que faz dela a grande sobrevivente do pop.

Shania Twain estava no auge de seus poderes quando perdeu a voz. Não estamos falando de alguns shows cancelados ou de algumas semanas com problemas de garganta. Twain não fez gravações por 15 anos.

Eu nunca pensei que iria cantar de novo“, diz ela em voz baixa. Faz apenas seis semanas que ela fez a laringoplastia, uma operação para reconstruir a caixa vocal. Uma cicatriz horizontal de duas polegadas está marcada no pescoço dela.

Na verdade, ela diz, ela teve sorte. Sua paralisia das pregas vocais foi resultado de ter sido picada por um carrapato e contrair a doença de Lyme. “A doença de Lyme pode ser muito mais devastadora. Pode ir para o seu cérebro.

É difícil conceber o quão enorme era a estrela do country pop quando o desastre aconteceu. Ela foi uma das primeiras estrelas “crossover”, combinando música country com pop e rock. Sem Shania Twain, pode bem não ter havido Taylor Swift. Ela fez três álbuns monstruosos em venda com a ajuda de seu marido e parceiro musical, produtor e escritor Robert “Mutt” Lange. “Come On Over”, que vendeu 40 milhões de cópias, é o álbum mais vendido por uma artista feminina e o nono mais vendido de todos os tempos nos EUA.

Lange, que fez seu nome ao trabalhar com bandas como AC/DC e Def Leppard, ajudou a reinventar Twain. Ela deitou seu violão, colocou saltos, botas grossas e compridas e se transformou de uma cantora country convencional em deusa do rock. Twain era sexy, empoderada e engraçada. Essa era uma mulher que sabia o que queria – homens, ação, dança, controle. Como ela canta em “Man! I Feel Like A Woman!”, “A melhor coisa sobre ser mulher era a prerrogativa de se divertir um pouco.” Seu sacudir de dedos e sua cartola não aceitam nenhum absurdo dos lindos meninos clonados que tocam violão no vídeo da música.

No vídeo de “That Don’t Impress Me Much”, ela está encalhada no deserto de Mojave, vestida da cabeça aos pés em estampa de leopardo, rejeitando passeios de qualquer tipoo de gatos narcisistas (“Oh-oo-oh, você acha que é especial / Oh-oo-oh, você acha que é outra coisa / OK, então você é Brad Pitt / Isso não me impressiona muito”).

Twain era tudo para as pessoas – country star, pop star, roqueiro, sentimentalista (“You’re Still The One” é possivelmente sua música mais conhecida). Ela era imaginada pelos garotos heterossexuais, admirados pelas garotas heterossexuais, adoradas por homens gays como um ícone e adorada por lésbicas que liam o que queriam em “Man! I Feel Like A Woman!”.

Então veio o que Twain chama de “a loucura”, que não era de forma alguma restrita à doença de Lyme e à perda de voz. Twain e Lange tiveram um filho, Eja, em 2001, e ela planejou algum tempo para a família. “Eu queria uma folga. Mas, claro, eu nunca teria ficado longe por 15 anos”, ela sorri. “Eu estava com vergonha de contar a alguém que não conseguia cantar. Durante muito tempo, nem sabia por que não conseguia cantar.”

Durante anos, não ouvimos nada. Então, em 2008, Twain anunciou que ela e Lange estavam se separando. O eventual divórcio não foi apenas o fim de um casamento, foi também o fim de uma das relações mais bem sucedidas e lucrativas da música. Ela acumulou cerca de US$ 350 milhões.

Descobriu-se que Lange estava tendo um caso com sua PA, amiga íntima de Twain, Marie-Anne Thiébaud, que morava a quase dois quilômetros de distância, na mesma cidade suíça, Corseaux, com vista para o lago de Genebra. Mas nem isso foi manchete. Twain anunciou que se juntou com o marido de Thiébaud, Frédéric. De repente, uma das maiores estrelas do pop era mais conhecida por seu casamento do que por sua música. Por um tempo, Twain recuou para o silêncio. Ela ainda não conseguia cantar. Não parecia haver chance de ressuscitar sua carreira.

Então, em junho de 2011, Twain anunciou uma residência de dois anos no Caesars Palace em Las Vegas. Ela não se apresentava ao vivo desde julho de 2004. Depois dessa lucrativa corrida – que começou em dezembro de 2012 e arrecadou US$ 43 milhões -, ela voltou ao estúdio e gravou “Now”, um álbum de músicas escritas por ela mesma, lançado no ano passado. Elas podem não ter os ganchos de seu melhor trabalho com Lange, mas fornecem uma visão fascinante de sua vida. As letras são tão pessoais quanto possível – do choque de estar deserta à raiva que sente em relação ao seu ex-amigo.

Você não se segura, eu digo. Ela ri e sugere que eu não saiba a metade disso. Na verdade, havia músicas que ela escreveu que eram tão violentas que não podiam ser incluídas no álbum. “Se eu estiver com muita raiva, digo ‘foda’ muitas vezes. E, se estou escrevendo, essa palavra estará em todas as linhas. Teve uma música que eu escrevi sobre a minha amiga trapaceira e haviam muitos “foda” por lá. Eu a odiei, então essa é a melhor palavra para usar quando você odeia alguém.”

Em carne e osso, há algo tão saudável e desajeitado sobre Twain que é um choque quando ela jura. Ela é pequena e muito bonita (em 2009, cientistas da Universidade de Toronto declararam que ela tinha o rosto perfeito). Hoje, ela é uma mistura improvável de roupas casual e showbiz, um moletom listrado preto e branco, tênis, cílios postiços com os quais você pode varrer o chão e um enorme anel de diamante em seu dedo.

Nós nos encontramos em um hotel em Los Angeles. A sala está vazia, mas para três buquês de rosas brancas brodegagianas. Ela me diz o quanto ela ama rosas, depois retorna ao assunto mais alto em sua mente. “‘Merda’ também é bom. Meu amigo disse: “Diga: ‘Ela é uma merda’”. Foi bom dizer isso. Essas palavras eram catárticas”. Ela diz isso quase que beatificamente, como se recitasse o rosário.

Twain passou por uma terrível baixa após o rompimento. Ela sempre foi uma pessoa privada, mas em 2011 ela escreveu um livro de memórias, “From This Moment On”, no qual ela admitiu que houve momentos em que ela queria morrer. Foi parte confessional, parte aviso, parte manual de auto-ajuda para pessoas passando por crises semelhantes. “Isso mesmo”, diz ela com entusiasmo. “Cuidado! Ou, se aconteceu com você, você não está sozinho. Por que temos as reuniões do AA? As pessoas podem chegar ao ponto em que chegam lá e dizem: ‘Isso foi o que aconteceu comigo e isso me trouxe a vida’. E eles começam a se sentir mais leves e melhores”.

Ela diz que duas coisas a salvaram. Primeiro, havia Eja. Ela não podia se permitir afundar, porque ele precisava dela. Em segundo lugar, ela revisitou seu passado, o que ajudou a colocar tudo em contexto.

Dizer que Twain teve uma infância traumática é um eufemismo. Ela cresceu em Ontário, no Canadá, e nunca conheceu seu pai biológico. Sua mãe, Sharon, tinha depressão; Seu padrasto, Jerry, era um nativo americano de Ojibwa, muito discriminado, alcoólatra, violento e mentalmente doente. “Um terço dos meus parentes foram suicidas em tenra idade – isso não é exagero. Alguns deles morreram prematuramente apenas por negligência e abuso de álcool.”

Ela foi batizada Eilleen Regina Edwards, que se tornou Twain quando sua mãe se casou com Jerry. Sharon criou três filhas de seu primeiro casamento e um filho que ela teve com Jerry, assim como o sobrinho dele depois que sua irmã morreu. Havia pouco trabalho por perto, sem dinheiro e muita violência. “Eu estava preocupada com o meu pai matando minha mãe.” Ela começa de novo. “Eu pensei que eles matariam um ao outro. Minha mãe também era muito violenta. Muitas noites fui para a cama pensando: ‘Não durma, não durma, espere até que estejam dormindo’. E eu acordava e me certificava de que todos estivessem respirando.”

Em seu livro de memórias, ela descreve uma ocasião em que Jerry bateu em Sharon inconsciente, depois repetidamente mergulhou a cabeça no vaso sanitário. Twain pegou uma cadeira e quebrou-a nas costas. Ele deu um soco na mandíbula; ela o socou de volta. Twain tinha 11 anos na época.

Seu pai costumava abusar dela. “Fisicamente e psicologicamente”, diz ela. Ela gagueja até parar. Ele abusou sexualmente dela? “Oh sim, sexualmente”, ela murmura. “Uh huh, uh huh. Eu não vou entrar em detalhes sobre isso. Eu não me importo de dizer isso, porque eu acho que é importante que as pessoas entendam que você pode sobreviver a essas coisas.” Ela não mencionou o abuso sexual em seu livro.

Quantos anos você tinha quando ele começou a abusar de você? “Por volta dos 10 anos. Acho que o abuso sexual anda de mãos dadas com o abuso físico e psicológico quando se trata de alguém que você conhece. Eu aprendi a bloquear isso. Os abusadores precisam te manipular, seja antes ou depois, e o que eu disse para mim mesmo é: ‘OK, há algo errado com essa pessoa e essa pessoa não está bem’”. Ela faz uma pausa. “Senti muito por mim mesmo quando criança. Ou vou para o Auxílio Infantil e seria salva agora ou… Eu ponderei e pensei: ‘Se eu for para o Auxílio Infantil, todos nós vamos nos separar’, e eu simplesmente não poderia suportar isso, então todos nós ficamos juntos para o melhor ou para pior”. Ficar juntos é um tema recorrente para Twain.

Ela começou a escrever músicas quando era jovem. Ela queria ser uma estrela? “Não, eu queria fugir.” De que? “Tudo. Casa violenta, tensões, nada para comer. Quando você está com fome você não pode fazer nada sobre isso, além de se distrair da fome. E isso realmente funciona. É terapêutico. Muitas crianças brincam com bonecas e eu brinquei com palavras e sons.”

Aos oito anos, ela cantava em bares para pagar as contas da família. Depois de se formar na escola em 1983, ela foi para Nashville para cantar country. Ela estava à beira de um avanço em 1987, quando recebeu uma notícia terrível. Jerry e sua mãe foram mortos em um acidente de carro.

Apesar de tudo, ela os amava e ficou arrasada. Ela arquivou seus sonhos e voltou para casa para se tornar uma mãe substituta para seus quatro irmãos. Twain nunca processou totalmente a tragédia, porque estava ocupada demais cuidando da família. Ela os apoiava cantando em um resort local.

Após a separação de Lange, ela começou a pensar mais sobre a morte de seus pais. “Comecei a descascar as camadas de dor em que estava e todas as outras tristezas, decepções e desafios vieram à tona. E eu pensei: ‘Eu já passei por coisas piores e é hora de colocar tudo em perspectiva’. Quando meus pais morreram, senti uma dor muito maior do que a traição. Eu estava apenas fora de mim. Quando você adiciona choque ao sofrimento, faz coisas malucas na sua mente. E isso realmente me ajudou – isso não era tão ruim quanto meus pais estarem morrendo. Eu sobrevivi a isso e não quero dar tanto crédito.”

Cuidar da família levou seis anos da sua vida. Em 1993, ela finalmente assinou com uma gravadora e mudou seu nome para Shania, que ela diz ser uma palavra Ojibwa para “no meu caminho”. Depois de um álbum, ela se envolveu com Lange e encontrou fama global.

Pergunto se ela pensa em si mesma hoje como Eilleen ou Shania. “Ambos. Mas quando eu falo para mim mesmo digo Eilleen: ‘Vamos, Eilleen!’” Eilleen parece muito diferente de Shania, eu digo. Não, ela insiste, elas são uma e a mesma pessoa – Shania é apenas a frente profissional. Na verdade, Twain admite, há uma diferença. Eilleen era uma moleca; possivelmente ainda é. Ela não usava saltos até estar em seus 20 anos e ela costumava amarrar seus seios para ninguém notá-los. “Eu nunca cheguei ao ponto de usar uma roupa de banho na praia. Eu sempre fui muito, muito tímida do meu corpo.” Eilleen é tão confiante com homens quanto Shania? “Eu sempre fui muito agradável, sempre fora para agradar meu parceiro.” Veja, eu digo, Shania seria a que exigia ficar satisfeita – ela balançava o dedo e dizia: “Isso não me impressiona muito!” Ela ri e concorda. “Eu sou uma pessoa quieta. Eu gosto de solidão. Quando eu era adolescente, eu era enérgica, mas irritantemente enérgica. As pessoas me chamavam de ‘retardada’. Não foi um elogio. Foi um pouco doloroso.”

Quão influente foi Lange em sua carreira? “Extremamente influente na música. Como produtor, ele também é muito diretor; muito prático e muito talentoso. Então, ele estava dirigindo a direção do som. Ele não dirigiu a direção da minha voz e nunca tentou me mudar.” Quem dirigiu a pessoa da Shania? “Aquela era eu, não Mutt. Ele nunca fez parte do desenvolvimento criativo nesse sentido. Ele dirigiu as escolhas do instrumento, o som, o groove. Ele era baixista como músico e era muito motivado pelo ritmo.”

Ela estava preocupada em perder sua vantagem criativa sem ele? “Eu estava. Eu estava petrificada em começar este álbum. Eu não tinha medo de escrever, mas eu estava com medo de compartilhar as músicas com alguém.”

Ela e Lange conversam um com o outro hoje em dia? “Claro. Quer dizer, nós não saímos um com o outro.”

Marie-Anne estava grávida na mesma época que Twain. Hoje em dia, as duas crianças se mudam entre as casas. Incrivelmente, apesar do fato de viverem a apenas meio quilômetro de distância, Twain diz que nunca se deparou com sua ex-amiga. “Ela é a última pessoa no planeta que eu quero encontrar. Sempre.”

Por que ela não pensou em se afastar? “Eu simplesmente não seria expulsa. Esta é a minha casa, este é o local de nascimento do meu filho e eu não vou a lugar nenhum.”

Sua antipatia em relação a sua ex-amiga é intensificada pelo fato de que ela confiou nela quando pensava que Lange estava tendo um caso e ouviu que estava delirando, que ninguém a trairia. Twain diz que muitas vezes sonha com ela. “Eu faço coisas muito desagradáveis ​​em meus sonhos com ela”, diz ela com prazer. “Eu estou sempre cortando o cabelo dela ou raspando.”

Ela e Frédéric – Freddy – se juntaram gradualmente, inicialmente como amigos confortando um ao outro; foi ele quem contou a ela sobre o caso. Ela diz que era mais óbvio para as crianças do que para ela que eles estavam se apaixonando. Isso é um tipo diferente de amor do que ela teve com Lange? “Sim, é um amor apaixonado em todos os níveis. Eu costumava ser muito monótona em meus relacionamentos”. Dessa vez, ela perdeu toda a sua passividade, diz ela. “Coitado do Freddy paga o preço, porque eu sou como: Se eu for me casar novamente, esta sou eu. Eu não acho que Mutt tenha me conhecido. Essa é a diferença.”

Ela acha que ela e Frédéric se saíram melhor disso do que Lange e Marie-Anne? “Absolutamente. Somos indivíduos mais felizes, mesmo sem o outro. Estamos muito mais confiantes em nós mesmos.” Ela diria isso a Lange? “Não. Eu nunca teria nada pessoal para fazer com ele novamente. Isso é uma coisa íntima.”

Eu digo a Twain que me sinto mal em nomear sua ex-amiga na frente dela. “Não diga o nome; você pode dizer ‘merda’.” Ela ruge de tanto rir, depois diz para si mesma. “Isso é tão desrespeitoso! Estou rindo”.

Twain, agora com 52 anos, é surpreendente de muitas maneiras – a quietude, a intensidade, a falta de jeito, a franqueza, a profanidade. Mas ela ainda não acabou de surpreender. Se ela pudesse ter seu tempo novamente, eu pergunto, ela escolheria o que ela tem agora? “Eu nunca escolheria que a família do meu filho tivesse se quebrado”, diz ela instantaneamente. “Eu seria uma daquelas pessoas que manteriam meu casamento pelo meu filho… Eu tentei manter o Mutt.” Ela diz que isso remonta à sua própria infância. “Veja minha situação. Meus pais poderiam ter se matado. Talvez nós estivéssemos melhor em lares adotivos, mas eu decidi não ligar minha família muitas vezes. Há algo em mim que diz que uma família deve ficar junta.”

Não é a única maneira pela qual ela expressa seu conservadorismo. Se ela tivesse podido votar nas eleições dos EUA, ela teria escolhido Donald Trump, diz ela. “Eu teria votado nele porque, apesar de ofensivo, ele parecia honesto. Você quer alguém direto ou simpático? Não que você não possa ter os dois. Se eu estivesse votando, simplesmente não ia querer besteira. Eu teria votado pela sensação de que era transparente. E a política tem a reputação de não ser isso, certo?”

Ela bebe sua água quente e mel. Isso é mais do que suficiente falar por um dia. Ela tem que descansar a garganta para a próxima turnê do “Now”. O engraçado é que ela diz que não gostou quando o mundo ficou louco por Shania todos esses anos atrás – era tudo trabalho e não vida. Agora, ela pode não estar em tal demanda, mas ela está à vontade consigo mesma. Ela aponta para a cicatriz no pescoço. “Deve ir embora. Mas se ficar, eu não me importo. Essa é a diferença. Quaisquer cicatrizes que eu tenha, eu ganhei.” Ela desliza o dedo sobre ele. “Estou confortável em minha própria pele.”

A turnê “Now” vai de 03 de maio a 22 de dezembro.

Simon Hattenstone
Fonte: The Guardian


Publicado por Diego Brambilla

COMENTÁRIOS