Shania Who?

Shania Twain é cantora, compositora, produtora e escritora canadense, e um dos grandes nomes da música country no mundo todo. Atualmente possui cinco álbuns de estrondoso sucesso.

[Review] Shania Twain para os fãs no Q: ‘Queridos, estou em casa’

Shania Twain é um estudo de caso sobre por que uma mente aberta pode ser o recurso mais raro e valioso da crítica musical.

Quinze anos atrás, o que eu me referia como sua marca de música country “doce” – saborosa, mas não necessariamente preenchida e provavelmente ruim para sua saúde – deixou um gosto ruim depois de um show no que ainda era conhecido como Gund Arena. Cantarolando, vocais suspeitos que sugeriam gravados e truques como ostentar uma camisa de William Green para provocar os fãs de Browns que estavam alegremente inconscientes dos próximos anos de futilidade, fizeram a noite um pouco pior do que uma visita ao dentista.

Então, quando a cantora e compositora canadense chegou à agora designada Quicken Loans Arena na noite de sábado, as expectativas não estavam exatamente na estratosfera.

Primeiro, foram 15 anos sem nada dela. Naqueles anos seguintes, ela sofreu um ataque de doença de Lyme que a deixou com um caso de disfonia, uma doença que a deixou fisicamente incapaz de cantar.

Pior, sua vida pessoal afundou ainda mais. Ela se divorciou do produtor Robert “Mutt” Lange, a quem boa parte do mundo da música creditou ao transformá-la em uma artista que vendeu 100 milhões de discos e ganhou cinco prêmios Grammy, depois de saber que ele estava tendo um caso com sua melhor amiga, Marie. Anne Thiebaud. Ah, e para completar a novela, Twain agora é casada com o ex-marido de Thiebaud, que foi quem confirmou o caso para ela em primeiro lugar.

Talvez haja alguma verdade no axioma: “o que não mata te fortalece”.

E aí está a minha verdadeira confissão: Fui à noite de Sábado ao Q esperando ficar desapontado.

Eu estava errado.

Eu não desejaria a tristeza pessoal que ela teve para ninguém, mas eu acho que tudo isso – os problemas de saúde, as questões pessoais, a exposição dos tabloides – a fez melhor. Eu pensei que ia ver um show horrível, e vi exatamente o oposto.

Talvez seja algo tão simples como soltar a chave para as castanhas de Twain como “Don’t Be Stupid (You Know I Love You)“, “Any Man Of Mine“, “Honey, I’m Home” e “Whose Bed Have Your Boots Been Under?“, mas eu não penso assim.

Há uma força em sua voz que não estava lá antes. Ah, ninguém vai confundi-la com a cantora de ópera Beverly Sills, e ela ainda tem que deslizar na nota ocasional em vez de bater em frente. Chame isso de “maturidade” em seus vocais – e não digo como se fosse uma palavra ruim, porque não é.

Fazendo grande uso de um conjunto que apresentava cinco cubos adornados com telas de vídeo, escadas rolantes, um tambor voador (tripulado à perfeição pelo baterista transgênero Elijah Wood) e seis ágeis dançarinos que às vezes adicionavam vocais de fundo, Twain foi capaz de cativar a multidão do Quicken Loans Arena por boa parte das duas horas.

Parte do show veio de seu álbum de retorno, “Now“, incluindo uma canção nascida de seu trabalho romântico chamado “Poor Me” e uma dolorosa homenagem aos militares chamada “Soldier“. Essas duas músicas realmente foram as melhores do novo lote, mas talvez tenha sido a música de abertura “Life’s About To Get Good“, que pode ser a que se prova profética.

Mas os que os fãs ouviram foram aqueles baluartes e, por alguma razão, parecem ter uma nova energia. “You’re Still The One“, “Man! I Feel Like A Woman!” e  “From This Moment On” carregam mais glamour do que nunca. Sim, ainda não é Dylan (Thomas ou Bob) quando se trata da escrita. Mas ela se encaixa no gênero.

Antigamente, uma crítica de um show de Twain mais provavelmente diria “Isso não me impressiona”. Essa avaliação não é mais verdadeira.

O cantor e compositor suíço Bastian Baker abriu com uma agradável lista de seis canções que lhe permitiu conquistar uma multidão impaciente com seu tenor e senso de humor. Além disso, seu cover de “Aleluia“, de Leonard Cohen, foi excelente.

Quando ele tinha 17 anos, Baker deixou o time de hóquei nacional suíço para seguir carreira na música.

Boa decisão.

Chuck Yarborough
CLEVELAND.COM

Publicado por Diego Brambilla

COMENTÁRIOS