Donna Missal e Shania Twain conversam sobre liberdade criativa e sensualidade
10 jul 2020

A cantora e compositora Donna Missal conversou com o site Interview sobre liberdade de criação e suas experiências com seu álbum pós-separação “Lighter” e, para a conversa, a cantora contou com sua inspiração de infância e rainha da música country Shania Twain.

O bate-papo foi publicado no dia 09 de julho e conta com novidades sobre o novo álbum de Shania e sobre seu começo de carreira e seus pensamentos criativos ao longo dos anos.

Confira abaixo a tradução completa da matéria

SHANIA TWAIN: Antes de tudo, é incrível ver você enquanto estou falando com você. Eu só quero começar dizendo que você é incrível. Puta merda. Estou tão inspirada por sua voz e sua escrita. Estou ouvindo suas letras e fico tipo “Oh, Deus. Isso vai inspirar minha escrita.

DONNA MISSAL: O que?

TWAIN: Estou fazendo um álbum agora. Há algumas letras em seu novo álbum que estão muito na veia do que eu tenho escrito. Agora estou pensando: “Merda. Vou dizer a ela agora, para que ela não pense que eu vou aceitar”. Não, estou só brincando. Sinto que estou em sintonia com você e seu pensamento.

MISSAL: Estou tão honrada por isso. Eu não tinha ideia de que você tinha ouvido o disco. Você acabou de fazer eu ganhar a vida.

TWAIN: Estou pensando: “Ela está realmente escrevendo essas coisas?” É forte e cativante também, e são todas as coisas musicais que fazem você querer ouvir. É claro que, como escritora, estou ouvindo suas letras e movida por elas. Não quero brincar de nada, mas será um momento muito bem-sucedido para você. Você está planejando fazer uma turnê logo após o lançamento, ou o quê?

MISSAL: Não poderei fazer uma turnê até o ano novo. Então haverá todo esse tempo entre o lançamento do disco e a possibilidade de fazer uma turnê.

TWAIN: Significa uma vantagem.

MISSAL: Você acha?

TWAIN: Não que minha opinião seja importante aqui, porque é você e você mesma. Ser capaz de se comunicar antes de uma turnê apenas pelo mérito da música e da sua visão criativa, porque também sei que você gosta de dirigir seus vídeos e outras coisas, certo?

MISSAL: Sim.

TWAIN: Eu acho que quanto mais as pessoas te conhecerem quando estiver no palco, melhor será de qualquer maneira. Se você não está em turnê, o que está fazendo?

MISSAL: Se não estou em turnê, estou me preparando para uma turnê ou trabalhando em um corpo de trabalho. Não passei muito tempo sem fazer turnê nos últimos dois anos. Mas antes disso, eu nunca havia feito turnê antes em minha vida. Meu primeiro disco foi minha primeira turnê.

TWAIN: Você gosta de fazer turnês?

MISSAL: Gosto da performance. É um dos meus propósitos. A apresentação faz algo para mim que nada mais faz. Mas estar em turnê, não necessariamente. Eu acho isso muito difícil. Gosto do desafio, mas não é necessariamente o mais favorável ao meu estilo de vida. Fazer turnê é muito menos rock and roll – não é uma festa. É realmente difícil e árduo. Especialmente por causa da música que eu escrevo. Eu sempre me desafiei vocal e fisicamente. Então eu saio em turnê e percebo que tenho que fazer isso todos os dias.

TWAIN: Stamina é uma outra parte da performance ao vivo. Você está tentando ser exatamente como o disco? Qual é a sua opinião?

MISSAL: Eu amo modificações ao vivo. Eu sinto que essa é a melhor parte de ir a um show: ver o que o artista pode fazer. Eu amo fazer coisas assim. Também me ajuda a ser inspirado toda vez que subo ao palco para tentar algo novo e arriscar. Eu não bebo álcool, eu não fumo maconha. Eu não fumo cigarros. Eu apenas trato isso como um trabalho, e levo o trabalho tão a sério. Um mau desempenho vai me foder mentalmente.

TWAIN: À medida que as pessoas conhecem melhor sua música, eu sei que elas já o fazem, mas cada vez mais você olhará nos olhos da plateia, sabendo que ela te entende e entende completamente. Adoro ouvir sua voz. Eu ouvia você o dia todo. Você está cantando sobre coisas tão profundas e significativas.

MISSAL: Eu escrevo músicas desde criança, mas acho que não entendi o que estava fazendo. Você sabe quando está fazendo algo e não há ênfase em “O que estou fazendo e por quê?” Você está fazendo isso porque é visceral. Está apenas acontecendo.

TWAIN: Você está inventando histórias que ainda não viveu. Então você se consideraria uma compositora ou cantora primeiro?

MISSAL: Minha escrita sempre veio da vocalização. Não sei se você se sente da mesma maneira, mas às vezes a música se escreve. As palavras já estão aí, a voz atua como portadora do que quer que você esteja sentindo. Descobri que minha voz é meu ponto de acesso da maneira que me sinto. Eu sempre tive essa conexão com a minha voz que eu nunca fui capaz de entender. Eu sei que quando estou usando minha voz, é quando tenho a conexão mais próxima com quem eu realmente sinto e com minha alma.

TWAIN: É ressonância. Como você sabe, existem tantas vozes incríveis por aí. Eles não escrevem o que cantam, então estão sempre interpretando. Você é uma das sortudas que faz tudo, e faz tão bem. Quando você experimenta sua voz – uma nota alta, uma nota baixa – é uma dança entre seu coração, sua mente, sua voz e suas experiências.

MISSAL: Eu acho que o poder da voz para acessar emoções em outras pessoas é realmente poderoso. Às vezes, vai além da letra. Interpretação é tudo.

TWAIN: As pessoas precisam ser capazes de cantar junto, mesmo que não possam cantar. Muitos dos meus fãs não falam inglês, então estão cantando foneticamente. Qualquer emoção ou interpretação que eles estejam sentindo da música não é porque eles realmente entendem exatamente o que estou dizendo. Eu acho que a verdadeira habilidade em escrever não é necessariamente ser realmente ótima em juntar palavras. É realmente criar uma emoção ressonante.

No seu novo álbum, Lighter, você sente que é uma expressão real de você como pessoa? Porque você não é apenas uma cantora, você é a compositora, e há todo tipo de cruzamento de gêneros e uma diversidade realmente incrível lá. É country, é rock, é soul. Um minuto estou no mundo de [Janis] Joplin por cerca de dois segundos e, de repente, estou em outro mundo. Eu estou curiosa. O que você estava pensando na direção?

MISSAL: Eu amo essa pergunta. Quando eu comecei a escrever algumas dessas músicas que acabaram sendo gravadas, eu estava meio que escrevendo através de algo que era realmente difícil. Eu estava experimentando algo e eu estava indo para sessões e meio que deixando isso sair de mim.

TWAIN: Você pode dizer o que é isso?

MISSAL: Eu estava passando por um rompimento super traumático, sentindo que minha vida estava literalmente queimando a merda ao meu redor. Eu estava assistindo essas facetas da minha vida, nas quais confiei por tanto tempo, desaparecerem. Eu também estava trabalhando, escrevendo e fazendo turnês na época. Eu acho que foi uma coisa instintiva trabalhar com isso escrevendo música sobre isso. Quando ficou claro que eu estava escrevendo músicas que queria compartilhar com as pessoas, comecei a criar mais uma estrutura para isso. Ironicamente, falar com você, meio que me deixa louca, porque eu decidi fazer um disco que soasse assim, e não cagar …

TWAIN: Não cague em mim.

MISSAL: Eu queria que Lighter soasse como se Shania Twain e Sheryl Crow fossem as cantoras principais de uma banda composta por Nirvana, Smashing Pumpkins e Oasis. Essa foi a minha estrutura para este registro.

TWAIN: Isso é incrível.

MISSAL: Agora que estou falando com você, estou um pouco sobrecarregada. Essa estrutura realmente fez com que, a qualquer momento em que houvesse uma pergunta – vocalmente, musicalmente – todas essas perguntas fossem respondidas com referência a essa estrutura. Foi isso que realmente salvou a experiência para mim, porque ela se baseou em algo que se baseou nas coisas que realmente influenciaram a maneira como eu canto e escrevo durante toda a minha vida.

TWAIN: É muito sensível. Em termos vocais, é claro, há muita dinâmica lá, mas mesmo na produção, acho que é bastante sensível e destaca bem você. Mas chuta a bunda ao mesmo tempo. Eu procuro por isso. Eu quero levar um tapa na cara quando estiver ouvindo música. Eu quero algo tipo “Merda! Eu gostaria de ter pensado nisso. Por que eu não pensei nisso?” Todos nós precisamos ser inspirados. Tudo nesse álbum fará isso. Então, parabéns para você.

MISSAL: Eu estava preocupado quando estava escrevendo o disco, chegando no final do processo pensando: “É disso que as pessoas precisam agora? Estou servindo a um propósito que posso apoiar?” Percebi que, sendo o mais vulnerável e honesta possível e colocando minhas coisas lá – provavelmente seria o que alguém precisa mais do que qualquer outra coisa que eu poderia oferecer como pessoa ou como artista.

TWAIN: Vamos falar sobre essa roupa pura com estampa de oncinha. Porque eu mesma, me sinto tão forte com a autoexpressão – ela tem que vir de você. Você não pode deixar ninguém ditar como deve ser, como sua voz deve ser. Por mais sexy que seja, porque realmente é. Mas parece que você está confortável em sua própria pele. Pelo menos é assim que você me faz sentir quando vejo isso. Lembro-me de que, quando saí, não estava pensando no que era aceitável, nem achava que qualquer coisa que estivesse fazendo fosse inaceitável. Fui criticada por ser sexy demais, ou pela beleza e moda ofuscando a música. Para mim, estes andam de mãos dadas. Tudo isso faz parte. É uma coisa toda. O que eu fui avisado foi: “Vai ser muito sexy. Você vai ofender homens e mulheres. Você vai ofender as mulheres porque é muito sexy e depois ofender os homens por causa de todas as coisas que está dizendo”. Eu não via dessa maneira, porque essas não eram minhas intenções. Eu estava sendo honesta e sincera.

MISSAL: Você sempre foi um exemplo disso para mim. É incrível ouvir você dizer que havia oposição e dúvida sobre essas escolhas que estava fazendo. Ainda hoje, porém muitos anos depois de você ter essas conversas, essas mesmas conversas ainda estão acontecendo. É sobre sexualizar algo, ou é melhor você não sexualizá-lo. Não há meio termo.

TWAIN: Você só precisa manter essas portas abaixadas.

MISSAL: Essa roupa foi uma homenagem direta a você. Sexualidade é normal. Merece ser normalizada. Não estou tentando dizer nada sobre minha sexualidade, exceto que experimento sexualidade. Eu não deveria sentir vergonha disso. Ninguém deve sentir vergonha por isso. É uma das coisas mais humanas que você pode sentir e experimentar. Eu adoraria ver isso continuar a ser estigmatizado. A única maneira de isso acontecer é representá-lo o mais fervorosamente possível, uma e outra vez.

TWAIN: Eu amo o que você está fazendo. No começo, eu gostava de todas as músicas de qualquer maneira, mas depois vi o vídeo e pensei: “Esta é apenas uma sequência e expressão natural da música”. Você parece compreensível, você pode ser tocada, você pode ser abraçável. Eu estava orgulhosa de você. Isso soa estranho porque não nos conhecemos, mas eu tinha orgulho disso por outra mulher. Foi simplesmente lindo.

MISSAL: Muito obrigado. Toda pessoa merece assistir a algo e se sentir representada. É tudo o que você pode fazer como artista, especialmente se estiver tomando decisões criativas.

TWAIN: Eu sei que você estava envolvida na direção, então como você dirige esse tipo de visão?

MISSAL: Eu escrevo um tratamento e montei um storyboard visual com algum texto, e realmente penso em como quero que algo pareça e sinta ao espectador. Depois, envolvo pessoas em quem confio. Tudo o que faço é muito colaborativo.

TWAIN: Como você pode saber tudo isso já? Você é jovem demais para saber tudo isso já.

MISSAL: Eu apenas sei no que sou boa e sei no que as outras pessoas são boas. Quando essas coisas podem acontecer, é quando o melhor resultado sai. Acabei de descobrir recentemente que você é criativa dirigindo sua residência em Las Vegas. Essa é uma produção massiva. O que levou você a tomar essa decisão?

TWAIN: Eu sempre estive envolvida criativamente desde o começo. Em Nashville, você sabe, eles costumavam operar, acho que ainda o fazem, onde têm os pequenos grupos criativos que atribuem a você. Eu simplesmente não vi. Eu apenas disse: “Confie em mim, deixe-me fazer do meu jeito. Me dê um orçamento pequeno”. Fui e comprei minhas próprias roupas. Os dois primeiros vídeos, eram roupas do tipo Walmart. Eu não queria gastar o orçamento em roupas. Eu tirava uma foto e depois olhava pela câmera. Foi um processo muito lento, mas eu precisava entender como a iluminação funcionava, para onde a câmera iria, que hora do dia eu queria que fosse. “Whose Bed Have Your Boots Been Under?”, por exemplo, é um vídeo sem sutiã. É um vestido K-Mart, sem sutiã.

MISSAL: Você dirigiu seus videoclipes?

TWAIN: A direção de arte sempre foi eu.

MISSAL: Isso é incrível.

TWAIN: Uma vez que eu podia pagar mais, podia contratar um estilista de verdade. Eu entrava na sala de trabalho dele e escolhia tecidos. Eu gosto do envolvimento tátil. Chegando ao show, foi a mesma coisa. Eu gosto do elemento de engenharia das coisas. Muito disso é feito antes mesmo de estarmos na mesma sala. Também editei todos os meus vídeos, o que recomendo. Eu acho que você deveria editar seus próprios vídeos. Porque se você já tem toda a visão em mente, é o único que saberá quando a alcançar.

MISSAL: Não me lembro de ter feito parte da publicidade em torno de seus vídeos ou registros. Não sei por que isso não é de conhecimento comum. Eu me sinto tão empoderada em saber que você faz isso e que você fez isso durante toda a sua carreira. Isso deixa um impacto em mim como fã e criadora, saber que não só é possível, mas que você o tornou possível, especialmente durante um tempo em que simplesmente não estávamos vendo o que era comum. Eu não posso te dizer o quanto é valioso para mim, como mulher neste setor, tentar fazer as coisas que eu quero fazer, tentar realizar as coisas de maneira prática, saber que existem artistas como você. Fazendo.

TWAIN: Quanto mais responsabilidade você assumir, maior será o risco. Você é uma pessoa forte e corajosa. Você já está sendo muito ousada. Você precisa ir além. Há muito mais que você pode tirar da sua arte se estiver envolvida. Talvez seja por isso que seja tão revelador. Eu nunca faria nada se não estivesse confortável com isso. Eu tenho meus próprios limites. Todo mundo tem.

MISSAL: Muitas vezes as coisas que eu uso no palco ou em um vídeo, eu nunca usaria na minha vida real. Uso calça de moletom, camiseta e odeio sutiãs. Eu não gosto de usar maquiagem. Não é que não sou eu, é apenas essa minha faceta diferente. É essa faceta que eu não exercito todos os dias, mas não parece que não estou sendo eu mesma quando estou exibindo ou exalando sexualidade. Essa roupa era completamente pura. Parte de saber que você está no controle é tomar decisões por si mesmo. Eu me sinto muito inspirada e animada.

TWAIN: É preciso coragem. Controle não é uma palavra negativa, mas acho que todos nós merecemos segurança. Se você ultrapassar os limites dentro de sua própria zona de conforto, aprenderá muito sobre si mesma. Vamos lá, Donna: o título do álbum “Lighter”, o que o levou a esse título? Eu não quero dizer como isso soa. Eu quero apenas ouvir o que é.

MISSAL: Descobri que quando comecei a dizer às pessoas qual era o título, dentro do meu círculo, muitos comentários foram como “Oh, legal. Como você sabe, sentir aliviado do peso e sentir a falta de peso.” Entendi. Na verdade, o que significava quando eu estava escrevendo essas músicas, decidi que o álbum deveria se chamar “Lighter” antes de terminar de escrever as músicas. Eu estava pensando no conceito de literalmente queimar a merda ao seu redor.

TWAIN: Sim! Eu deveria ter dito o que pensei primeiro. Eu pensei exatamente isso. Não fazia ideia de como seria sua personalidade real em uma conversa. Mas há confiança no álbum. Há uma convicção lá. Mesmo se você estiver enfrentando inseguranças, pode fazer isso e não ser fraco. Mesmo que pareça catártico, a primeira coisa que fui foi: acenda isso. Foda-se sim.

MISSAL: Eu acho que é tão importante que a mensagem desse disco não pareça lamentável ou arrependida de mim mesma. Porque esse não é o ponto. O ponto é muito mais, você pode assistir a sua vida inteira queimar ao seu redor, você pode atravessar essa experiência e chegará a um ponto em que olhará para trás e para a sua destruição e se dará conta que esté muito melhor do outro lado disso. Às vezes, queimar a merda ao seu redor para ter uma visão clara das possibilidades de avançar, pode ser a experiência mais catártica.

TWAIN: Aqui está uma profunda maturidade emocional em você que é clara em sua música. De onde vem isto?

MISSAL: Eu não sei, cara. Definitivamente, eu aprecio o fato de que crescer, ser criativa e expressiva foi comemorado. Eu não acho que é o caso em tantas casas. Existe tanta ênfase, especialmente nos EUA, em “conseguir um emprego, ir à escola”. O processo é muito rudimentar, e há uma grande ênfase nisso culturalmente. Quando canto, sinto que sei quem sou. Não é assim que me sinto diariamente. Ainda há dias difíceis, e é um processo.

TWAIN: É um presente incrível, porque você pode se acalmar.

MISSAL: Eu tenho que te dizer uma coisa: seu álbum “Come On Over” foi o primeiro álbum que eu já tive em toda a minha vida. Meu pai comprou para mim. Ele me levou a uma loja de discos na minha cidade em Nova Jersey. Eu tinha oito anos de idade. Entramos no carro e eu o abri imediatamente. Chegamos em minha casa pela segunda música, e ele continuou circulando pelo nosso bairro até que todo o disco estivesse acabado. Estou obcecada com isso desde então. Ele informou muitas das decisões que tomei como pessoa criativa ao longo da minha vida.

TWAIN: Eu amo essa história. Eu gosto e preciso ser lembrada do que a música significa para os outros também. Eu sei o que significa para mim, mas é importante que eu saiba como isso os afeta. Temos que aceitar isso como uma responsabilidade.

FONTE: Interview