Bem vindo ao Portal Shania Twain, um fã site feito e administrado por fãs da cantora, não tendo fins lucrativos e não possuindo nenhum contato com Shania Twain ou seus assessores e agentes. Todo o conteúdo retirado do site, incluindo notícias, fotos, entre outros, deve manter os devidos créditos. Todo o conteúdo do site é revisado e editado periodicamente, e todos os direitos referentes às publicações, mídias e suas respectivas fontes sempre estão sendo atualizados.

Nesta sexta-feira, aproveitando as comemorações de lançamento da edição diamante comemorativa do álbum “The Woman In Me”, Shania Twain concedeu mais uma entrevista a Lewis Corner do site britânico Gay Times.

A publicação original não trazia imagens, então colocamos por nossa conta para uma leitura mais dinâmica. Confira abaixo a entrevista completa:

Até hoje, Shania Twain detém o recorde de álbum mais vendido de uma artista feminina, com “Come On Over“, de 1997, movimentando mais de 40 milhões de unidades em todo o mundo. Mas este ano ela está comemorando o álbum que mudou sua vida para sempre. O segundo lançamento de Shania, “The Woman In Me“, está comemorando seu 25º aniversário com uma reedição de Diamante em 2 de outubro, homenageando a música que a tornou um nome familiar em todo o mundo. As músicas ainda são amadas por fãs em todos os lugares, e fez com que Shania se tornasse o ícone e a rainha do country que é hoje. Tivemos 15 minutos com Shania no Zoom para falar sobre o impacto do álbum, por que ela teria adorado as mídias sociais quando estava começando, e quantas drag queens ela viu prestando homenagem a sua roupa de estampa de leopardo icônica.

The Woman in Me foi o álbum que mudou sua vida para sempre. Refletindo sobre isso agora, você consegue se lembrar de como se sentiu durante aquele período de sua vida?
Eu estava pronta para as coisas começarem a funcionar, embora eu possa dizer que nunca esperei que fosse ficar tão grande quanto cresceu. Trabalhei minha vida inteira com música, cantei ao vivo desde os 8 anos de idade, escrevi músicas desde os 10 anos, pensei, ‘Ok, tenho 30 anos e tenho que fazer este trabalho. ‘ Eu estava em um estado de determinação neste ponto da minha vida.

Este álbum resistiu ao teste do tempo. Você reconheceu que essa música seria atemporal quando você a estava gravando?
Eu certamente poderia dizer que a produção de Mutt foi realmente extraordinária. Eu senti a força nas próprias canções. Minha voz estava em um bom lugar. Tudo alinhado e me senti bem sobre como tudo estava se encaixando. Eu estava um pouco preocupada ao mesmo tempo, porque a gravadora e as pessoas da indústria que foram expostas a qualquer escuta precoce das músicas, as respostas foram um pouco relutantes. Eles queriam diminuir o tom. Eu estava pensando, ‘Oh cara, este é o meu momento de fazer o que eu realmente vejo que sou eu.’ Eu não estava preparada para arredondar as arestas, então havia um sentimento de preocupação de minha parte ali. Eu estava preparada para empurrar algumas coisas. Eu estava preparada para essa resistência. Como seria recebido pelo público? Eu não fazia ideia!

Com qual música do álbum você se relaciona hoje durante esse período de sua vida?
Eu diria que “Any Man Of Mine” ainda é muito verdadeira como uma música que eu escreveria hoje. A atitude disso, o senso de humor, a combinação rock-country, eu diria que um é provavelmente aquela que vai mais longe no álbum “The Woman In in Me“. Fora disso, “Man! I Feel Like A Woman” eu ainda escreveria e lançaria essa música hoje, tanto quanto eu a consideraria atual. Representa como ainda me sinto agora. É um sentimento atemporal para mim, toda aquela vibração.

A indústria da música mudou muito nos últimos 25 anos. Qual é um aspecto dessa mudança que você ficou feliz em ver?
Eu realmente amo o imediatismo que temos. Até você e eu neste momento nesta videochamada. Gosto da comunicação com os fãs e de poder expressar as coisas sem ter que pular de obstáculos e passar por tantos filtros e edições. Eu acredito em ser capaz de se expressar de maneira honesta e direta. A tecnologia, para mim, permitiu muito mais disso do que nunca. Especialmente com o COVID-19 agora, ser capaz de se comunicar por meio dessa tecnologia é mais importante do que nunca. Caso contrário, estaríamos completamente isolados. Então eu acho que essa tecnologia tem sido uma das maiores vantagens de nossas plataformas para compartilhar músicas ou para troca social.

Você acha que teria gostado das mídias sociais quando estava começando na indústria?
Oh, eu teria adorado! Eu teria adorado ainda mais do que amo agora. Principalmente porque eu estava viajando muito ao longo de uma década e meia tentando alcançar as pessoas que ouviam minha música. Não que eu não tivesse viajado de qualquer maneira – adoro viajar – mas teria sido capaz de alcançar mais pessoas e ser menos editada e filtrada de várias maneiras, o que eu teria apreciado.

Tenho certeza de que essa pergunta já foi feita algumas vezes antes, mas por que você acha que sua música ressoa tanto com os fãs LGBTQ +?
Bem, eu definitivamente me esforço para ter todos incluídos. Eu acredito em comunidade. Ponto. Eu quero chegar a todos. Só fico comovida e lisonjeada quando as pessoas estão tão apaixonadas e comovidas com o que tenho a dizer. Eu quero ter um efeito positivo e fortalecedor nas pessoas com minha música. Então, quando recebo mensagens de que as pessoas se sentem fortalecidas quando, de outra forma, poderiam se sentir deslocadas, e que minha música fala por elas às vezes, acho que é tudo. A música é o maior comunicador. Para mim, é exatamente isso que eu quero que minha música faça.

Houve um momento específico em que você reconheceu que tinha muitos seguidores LGBTQ +?
Lembro-me de pensar: ‘Uau, sou um desses artistas sortudos que fazem a ponte …’ Bem, não eu como artista, porque não quero reivindicar nada parecido, porque sou responsável por escrever a música, mas a música merece o crédito pelo que representa. Então estou pensando: ‘Isso faz muito sentido. É uma coisa tão libertadora poder cantar, “Man! I Feel Like A Woman!“, não importa quem você seja. ‘ Não gosto de levar o crédito por isso porque é a música e como as pessoas se apropriam dela. Eu amo isso. Eu escrevo uma música, eu deixo pra lá e então ela pertence a quem se relaciona com ela.

Quando você fez sua aparição no Drag Race, as drag queens sincronizaram os lábios com Man! I Feel Like A Woman!”. Como foi essa experiência para você?
Eu amo isso! Novamente, isso é um grande elogio. Em primeiro lugar, fiquei muito impressionada com o talento e a arte da maquiagem. Fiquei tão impressionada com a transformação total. O estilo, a beleza e a estética! Isso me inspira e aprendo muito observando as transformações. Isso é uma coisa que eu realmente amo na Drag Race, é que você pode ver isso. Eu fico tipo, ‘Primeiro de tudo, onde você conseguiu esse tecido?’ Todo mundo é tão inovador e criativo, então foi uma experiência muito divertida. Quer dizer, eu mesma faço isso. Estou sempre procurando me transformar de uma forma ou de outra quando estou fazendo vídeos ou fotografando. Eu gosto da direção de arte de tudo isso.

Se você fosse contar, quantas drag queens você acha que viu durante sua carreira em homenagem ao seu icônico traje com estampa de leopardo?
Milhares! Absolutamente milhares! Muitas pessoas vêm de drag para os shows e parecem melhores do que eu. Não que isso seja difícil de fazer! Mas eu sou uma mulher, e então estou vendo essa transformação de um homem em mim. É quase como se olhar no espelho. É preciso muito talento. Devo dizer que, como artista e alguém que gosta do lado artístico das coisas, estou muito impressionada com isso. E lisonjeada, é claro!

Você trouxe de volta a roupa com estampa de leopardo para sua aparição no videoclipe Legends Never Die de Orville Peck, que eu adorei. Gosto de pensar que você usará a estampa de leopardo pelo resto da vida.
É meu padrão. É meu neutro! Vai com tudo e é atemporal. Mandei uma mensagem para um amigo porque ele me mandou uma mensagem dizendo, ‘Eu amo Legends Never Die’ e eu disse, ‘O Leopard Never Dies!’ É verdade! A estampa do leopardo nunca morre. Eu amo isso. Quer dizer, olhe isso… minha bolsa de maquiagem tem estampa de leopardo!

Falando de suas roupas icônicas ao longo de sua carreira, onde estão elas agora? Você tem um arquivo?
Há um museu que abriga várias delas. Tenho alguns guardados. Eu doei alguns para instituições de caridade. Então, eles estão espalhados um pouco por toda parte. Provavelmente, preciso reunir tudo uma vez e levar mais a sério a preservação deles à medida que percebo que se tornam cada vez mais importantes. Eu realmente não os valorizava tanto porque não sabia que se tornariam icônicos. Como a cartola de “Man! I Feel Like A Woman!” e até o jeans-on-jeans. Eu não percebi na época que eles se tornariam coisas que eu poderia querer agarrar.

Fonte: Gay Times

Webstatus

Nome: Portal Shania Twain
URL: portalshaniatwain.com
Desde: 21 de fevereiro de 2009
Admin: Diego Brambilla
Contato: portalshaniatwain@gmail.com
Host: Flaunt
Design: Uni Design

Siga-nos no twitter
Acesse Nosso Instagram
Parceiros
Portal Shania Twain Todos os direitos reservados