Em nova entrevista, Shania Twain fala sobre seu novo filme, novas músicas e relacionamento com os fãs
08 mar 2020

Em nova entrevista ao site Parade, a cantora country Shania Twain falou um pouco mais sobre o novo filme “I Still Believe“, sua nova residência “Let’s Go!” no Zappos Theater e possíveis novas músicas.

Confira a tradução da entrevista abaixo:

Você tem um relacionamento muito especial com seus fãs. Por que isso é importante para você?

Adoro a história que compartilhamos juntos. Há uma história lá que é tão valiosa. É realmente um relacionamento longo. Eu tenho um público tão diverso e acho que isso é um reflexo de quem eu sou como artista. Eu apenas sinto que fui capaz de ser eu mesma com os fãs, e a beleza disso é que qualquer lacuna que possa haver entre nós se fecha completamente quando estamos juntos em um show. A música nos une. Eu sei que meus fãs são pessoas que procuram essa terapia e camaradagem na música. Minha história significa algo para eles.

Você foi muito aberta e transparente sobre as lutas que enfrentou ao longo dos anos. O que isso fez por você e pelos outros?

Acho que isso dá às pessoas a inspiração para perseverar em seus próprios desafios. [Falar sobre] isso tem sido terapia para mim. Meu conselho a qualquer pessoa seria compartilhar e comunicar sua dor. Depois de se abrir, você percebe quantas pessoas ao seu redor têm um sofrimento semelhante em comum. Abre um mundo inteiro de entendimento mútuo que você jamais esperaria. Mesmo quando não for fácil entrar nessa zona de vulnerabilidade, passe por isso. As recompensas são incríveis.

O que a levou ao seu papel como Terry Camp em “I Still Believe”?

A história deles me atraiu. É lindo – tudo sobre coragem de enfrentar o desconhecido. É o epítome do amor e da fé. Fiquei absolutamente emocionada com a história e acho que quem assistir ao filme também ficará.

Como você aborda sua carreira de maneira diferente agora, em oposição a 30 anos atrás?

Bem, por um lado, sou muito mais grata pela oportunidade de ainda estar no palco. Perdi minha voz [por um tempo] e foi preciso muito esforço para voltar aos trilhos. Eu tenho mais gratidão depois dessas lutas. Sou grata por ainda poder me apresentar para todos esses fãs que ainda demonstram amor e respeito.

Como relaxar depois de um show?

Gosto de ficar com os amigos e ter uma ótima refeição. A comida é incrível em Las Vegas. E honestamente, eu realmente amo voltar direto para minha pequena fazenda, abraçando meus cavalos e colocando-os na cama.

Alguma música nova em andamento?

Oh, eu tenho escrito muito. É tão fácil se esgotar na estrada, e uma vantagem real de estar em Las Vegas é que você não está viajando constantemente e se esgotando. Você pode se estabelecer e realmente ser criativo. Eu tenho dificuldade em escrever na estrada, então eu amo estar em casa e cair nisso.

Você teve tantos looks memoráveis longo dos anos. Qual é a sua abordagem à moda?

Eu só quero usar coisas que sejam lisonjeiras. Para ser sincera, sempre ignoro o que está acontecendo na moda e presto atenção ao que lisonjeia meu corpo, ao que é confortável e ao que me faz sentir bem. Não sou modelo e quero trabalhar com designers que respeitem meu tipo de corpo e entendam o que fica melhor nele.

Fonte: Parade

Shania Twain grava nova entrevista para o programa Strahan and Sara
07 mar 2020

No último dia 27 de fevereiro, foi ao ar durante o programa de TV americano Strahan and Sara, uma entrevista exclusiva com a cantora Shania Twain. Durante a entrevista, gravada no início de fevereiro, a super diva fala sobre a perda de sua voz, logo após o final da turnê “Up!”, em 2004.

“Eu perdi minha voz e antes mesmo de eu sequer tentar cantar de novo, foram cerca de 7 anos. Então 7 anos nessa perca misteriosa da minha voz, sem me dar conta de que a doença de Lyme tinha causado isso e desses 7 anos para cá, estive trabalhando em um jeito de melhorar isso.

Como todos sabemos, a cantora retornou aos palcos em 2012 com a residência “Still The One”, fez uma turnê pela América do Norte em 2015, lançou o álbum “Now” em 2017 e embarcou em uma turnê mundial em 2018, passando inclusive pelo Brasil.

“Eu cheguei ao outro lado com uma voz diferente. É diferente. Eu nunca terei minha antiga voz de volta, mas ainda sou eu. Quando você me ouve cantar, ainda é a minha voz.”

A cantora falou ainda sobre a produção dos shows de sua segunda residência, “Let’s Go!”, que está em cartaz no Zappos Theater em Las Vegas e retorna semana que vem para mais uma termporada.

“O alicerce dos meus shows é sempre a lista de músicas. Claro que eu canto todos os clássicos que todos querem ouvir e cantar junto.”

Relembrando a performance icônica no especial Divas Live de 1998, a cantora mencionou com quem gostaria de dividir o palco em um possível remake do especial.

“Jennifer Lopes está no topo da minha lista. Eu adoraria ter Stevie Nicks, uma das melhores contadora de histórias, cantora e compositora de todas. Eu adoraria ter Ariana Grande, eu acho que ela é uma ótima diva, no melhor sentido. Lizzo, a mais nova no cenário.”

Sorridente, ela mencionou: “Essa seria uma boa coleção de mulheres.

A cantora também falou sobre o novo filme “I Still Believe” (“Enquanto Estivermos Juntos”), que estreia em 13 de março nos cinemas americanos e deve chegar ao Brasil em abril.

“Eu amo descobrir as coisas e essa é a atitude que eu tenho na vida. Encarar novos desafios e atuar é uma dessas coisas que eu descobri que realmente gosto.”

Shania Twain é capa da revista Deluxe Edition
04 mar 2020
notícia postada por Diego Brambilla

A cantora Shania Twain concedeu uma entrevista exclusiva para a revista Deluxe Edition do mês de março, da qual é capa. Em um jogo de perguntas e respostas, a cantora falou sobre sobre Brad Pitt e sobre a residência “Let’s Go!”, que retorna ao palco do Zappos Theater na próxima semana.

Confira a matéria completa traduzida:

Os “Twainiacos” estão animados para 2020, e por boas razões: sua ídola Shania Twain foi recentemente nomeada “Mulher do Ano” pelo Nevada Ballet Theatre no seu anual Black & White Ball; está estrelando uma campanha publicitária para o novo slogan de Las Vegas, “O que acontece aqui, apenas acontece aqui” e em março, o ícone pop country estará de volta aos palcos no Zappos Theater no Planet Hollywood para “Let’s Go!,” sua residência 2.0 depois de lançar com sucesso shows esgotados em dezembro.

Estou adorando, saboreando e desfrutando da estabilidade [de viver em Las Vegas]”, diz a cantora e compositora canadense. “A diversão aqui, o padrão de entretenimento, os novos amigos: me sinto muito em casa aqui.”

Com “Let’s Go!” – uma frase que ela usa em “I’m Gonna Getcha Good” e “Man! I Feel Like a Woman” – Twain ainda é quem amamos e agora está provocando uma nova onda de popularidade entre fãs e amigos que apareceram na noite de abertura. (E ela também sai a cavalo no centro de Las Vegas. Mais sobre isso abaixo.)

Ela é uma rockstar”, diz Carrot Top de sua querida amiga. “Ela é uma perfeccionista incrível e coloca tudo em seus shows. Eu respeito muito isso. Ela é uma trabalhadora e uma pessoa bonita por dentro e por fora. É isso que facilita a vinda e o suporte de algo assim.”

Acrescentando aos elogios pós-show no tapete vermelho: AJ McLean dos Backstreet Boys, o ex-companheiro de turnê do Bastian Baker e a estrela da realidade LaLa Kent, que dizem “Shania não consegue errar.”

A artista country mais vendida de todos os tempos também é a diretora criativa dessa última residência, e após várias semanas de ensaios sem platéia, ela mal podia esperar para finalmente se apresentar (com oito trocas de roupa!) diante de uma multidão ao vivo.

Senti-me bem, honestamente: fiquei relaxada e tudo ganhou vida com as pessoas na plateia”, diz Twain. “Tudo fazia sentido. Foi muito gratificante e divertido, e passou super rápido!”

Mas antes de deixá-la ir, pedimos a Shania Twain para um “Take 5” com a Deluxe Version Magazine.

SOBRE SUA SEGUNDA RESIDÊNCIA LAS VEGAS:

Minha intenção sempre foi fazer algo mais informal. O Zappos Theater não é tão formal quanto outros teatros – é mais íntimo e descontraído. Eu tenho muito mais momentos acústicos e improvisados que não são grandes na produção… somos apenas eu e minha guitarra, estilo livre, o que realmente está me levando de volta às minhas raízes quando adolescente nos bares. Esse teatro permite isso, então eu estou tirando proveito disso.”

SOBRE MONTAR SEU CAVALO PARA A CAMPANHA DE LAS VEGAS:

Las Vegas é como uma cidade louca e ótima. Há uma natureza amigável e descontraída sobre os moradores daqui. E mesmo essa experiência de andar a cavalo na Fremont Street, pareceu tão surreal, mas, ao mesmo tempo, é tipo, ‘Sim! Totalmente!”. De alguma maneira estranha, eu podia me ver fazendo isso todo fim de semana.”

SOBRE PARTILHAR O PALCO COM MELODY, SEU CÃO:

É um ótimo momento [acústico] para mim. Eu acho que muitos dos momentos acústicos [do show] são algo emocionante de se fazer. Isso me leva de volta à minha juventude. Parece confortável. Parece informal. Parece exatamente como eu quero. Quero que o público sinta meu nível de conforto e facilidade aqui com meus fãs – com minha música – e só quero mostrar essa falta de barreira entre nós.”

SOBRE SER A DIRETORA CRIATIVA DO SHOW:

O que aprendi sobre essa experiência – ajudando, [estando] tão envolvida com a produção; ‘dirigi-la’ – é que eu pessoalmente precisava de menos ensaio, porque eu já conhecia todos os detalhes. (Ha!) Eu estive mais intensamente [envolvida] com os departamentos do que em ensaios que não fossem sua encenação e tudo mais. Mas quando eu estava em meus próprios ensaios de performance, eu já sabia onde tudo estava disposto. Eu já entendi toda a estrutura. Então havia menos pressão de ensaio em mim e mais outros chapéus e me espalhando. Mas eu amo isso porque quero dizer, vamos, os ensaios podem ser muito repetitivos e tediosos. Então eu gostei da variedade de usar chapéus diferentes e não fiquei estressado com isso. Foi ótimo.

SOBRE BRAD PITT:

[“That Don’t Impress Me Much”] se tornou uma das minhas maiores músicas, mas eu quero dizer… como eu poderia saber que seria uma música de sucesso? Foi apenas algo que eu fiz com algum senso de humor, mas é uma espécie de coisa corrente para mim agora [que] eu nunca o conheci! Portanto, temos essa conexão por meio de um sucesso gigantesco e, no entanto, nunca nos conhecemos.

FONTE: Deluxe Edition Magazine

Shania Twain concede nova entrevista à Revista Social Lifestyle
19 fev 2020

Nesta quarta-feira, Shania Twain concedeu uma nova entrevista à colunista Allison Kugel da revista Social Lifestyle e contou como uma criança que cresceu na pobreza na pequena cidade mineira de Timmins, Ontário, Canadá, tornou-se a artista feminina mais vendida da história.

Além disso, Shania discute sobre suas experiências como atriz, seu legado para o futuro e suas crenças.

Confira abaixo a entrevista completa traduzida:

Allison Kugel: Olhando para suas cinco décadas de vida, quais eventos e experiências foram mais formativos para você?

Shania Twain: Minha juventude, crescendo em uma pequena cidade mineira do norte do Canadá, foi muito formativa. Essa educação ficou comigo de várias maneiras, eu diria, permanentemente. A morte de meus pais foi um terremoto pessoal na minha vida, e me destruiu. Meu primeiro casamento foi formativo. Tudo mudou na minha vida como resultado do meu primeiro casamento, tanto pessoal quanto criativamente. Essa parceria (com o ex-marido, o produtor musical Robert John “Mutt” Lange) criou uma mudança na minha vida para sempre. E ter um filho foi uma experiência incrivelmente transformadora e muito bonita. Meu filho trouxe muita consistência e estabilidade para mim, emocionalmente. E então, é claro, houve a perda e o enfraquecimento da minha voz.

Allison Kugel: Como você transforma desafios em bênçãos?

Shania Twain: Começando pela perca da minha voz e meu divórcio, o fundo de prata durante tudo isso foi se apaixonar por alguém (o atual marido de Twain, Frédéric Thiébaud). Ele foi um apoio incrível nos tempos difíceis. Meu segundo casamento foi um incrível reforço da minha confiança e da minha vontade de querer cantar novamente. É simplesmente incrível o poder do amor, e sou muito grata por ter encontrado isso novamente. Eu estava suportando muito do que eu havia perdido por muito tempo. Encontrei coragem para recuperar minha voz e voltar ao palco novamente, assumindo todos esses riscos. Que tal correr o risco de se apaixonar de novo(risos)?!

Allison Kugel: No início dos meus 20 anos, eu morava em Los Angeles, tentando encontrar trabalho como escritora e sem dinheiro (risos), e eu andava por aí ouvindo suas músicas em busca de inspiração. Eu ouvia “From This Moment On”, “The Woman in Me”, “God Bless the Child”. Sua música me fazia companhia, me confortava e me fazia sentir esperançosa. Só consigo imaginar com quantos milhões de pessoas a sua música fez isso. Você nunca saberá quem eles são e nunca saberá as histórias deles. Você já parou para pensar na enormidade disso?

Shania Twain: Eu me identifico muito, porque é exatamente isso que a música faz por mim. Eu entendo completamente do que você está falando e qual o papel da música na vida das pessoas, e às vezes também para o artista. Poder se relacionar com o artista e com a música dele, é essencial e faz parte da minha vida diária. Eu sou muito afetada por isso. Meu humor é afetado pela música que estou ouvindo. Sou muito facilmente influenciada pela música. Nunca, em todos os meus anos, mesmo quando eu era muito jovem e entrei nesse ramo, nunca caí em abuso de substâncias. Nunca usei drogas ou tomei alguma coisa para aumentar minha criatividade, e nunca fui festeira. Eu sempre fui extremamente séria, e a música em si era onde eu me perdia. Eu literalmente me empolgava com a música ou entrava no estado de espírito de onde uma música me levava. Se eu posso fazer as pessoas se sentirem assim, se eu posso ter esse efeito nas pessoas através da minha música, eu consegui tudo o que eu poderia pedir.

Allison Kugel: A única coisa que tantas pessoas que entrevistei têm em comum, pessoas que atingiram o topo de seu campo ou ofício, é que elas são mestres em manipular energia e matéria e manifestar coisas na existência física; no mundo material. Você se colocaria nessa categoria?

Shania Twain: Definitivamente! Eu acho que tive uma mente única, mesmo agora ainda tenho isso. Certamente, quando eu estava desenvolvendo [minha carreira] e estava no meu caminho, eu era irracional. Não havia distração, não havia mais nada. Meu foco era absoluto e toda a minha energia entrava em quaisquer objetivos que eu estivesse estabelecendo para mim. Eu acho que é a única maneira de você usar a palavra “mestre”. Certamente, se você pode dominar seu próprio desenvolvimento em seu ofício e obter algo bom em algo, é completamente… você é inseparável disso. Você é inseparável dessa capacidade e dessa habilidade. Passei grande parte da minha vida nesse modo, se você preferir. Eu ainda vejo muito disso em mim agora, quando estou me esforçando como compositora ou com o que quer que esteja fazendo. Estou sempre 100 por cento nisso.

Allison Kugel: Eu acho que esse estado de espírito deixa pouco ou nenhum espaço para dúvidas, ou para olhar para a esquerda ou para a direita, e tudo isso.

Shania Twain: E é um estado de espírito. É quase um tipo de meditação e um processo muito focado, com certeza.

Allison Kugel: Agora você está em sua segunda residência em Las Vegas. O show é intitulado, Shania Twain Let’s Go!. Qual é a diferença da primeira residência em Las Vegas que você fez?

Shania Twain: Esta residência em Las Vegas no Zappos [Teatro] (no Planet Hollywood Resort & Casino) é muito voltada para o espírito do lugar. A atmosfera é muito informal. Eu projetei o show para que, quando eu levar as pessoas para o palco, elas façam parte da história, daquela vinheta e daquele momento do show. Por exemplo, peço a alguns que se sentem no assento mais romântico da casa, que fica no palco, e escrevi uma experiência para eles no show, enquanto eles estão no palco. Então, eles têm o melhor lugar da casa, o tratamento especial, recebem champanhe e serenata com From This Moment On (do álbum de 1997 de Twain, “Come on Over”). Eu fiz isso, obviamente, porque muitas pessoas se casaram com a minha música, From This Moment On.

Allison Kugel: Eu também ouvi o seu programa sendo descrito como uma “festa musical”.

Shania Twain: E essa é a parte do show mais influenciada pelo country, onde eu organizei um salão para as pessoas virem dançar. Eu criei uma coreografia específica de uma linha de dança can-can. É bem engraçado e leve, e muito construído para o público estar no show. É uma sala de stand-up, é uma sala de festas, então pensei que “Let’s Go!” [Vamos!] seria o título perfeito para capturar esse humor.

Allison Kugel: Eu amo isso! Eu sei que sua mãe era sua maior campeã e sua maior líder de torcida em sua carreira quando você era criança. Ela morreu, junto a seu pai, em um acidente de carro quando você tinha apenas 21 anos. Se você pudesse magicamente cruzar dimensões por um momento para ter uma conversa com sua mãe, para lhe contar algo ou perguntar algo, o que você faria ou diria?

Shania Twain: Eu provavelmente perguntaria a ela como ela reconheceu meu talento em uma idade tão jovem. Eu sempre me perguntei o que a fez sentir que eu era tão capaz, e como ela reconheceu isso em mim, porque ela não era de todo musical. E para sacrificar e pressionar tanto por mim, ela deve ter acreditado nisso intensamente. Quero dizer, deve ter sido realmente óbvio para ela, mas ainda não consigo imaginar. Acho que se você tem um esquiador de três ou quatro anos de idade que está, bem diante de seus olhos, esquiando melhor do que todos os outros, pode apostar que, com o treinamento, eles serão campeões. Mas com a música, não tenho certeza se é tão óbvio. Então, eu a aplaudo por isso, e gostaria de conversar com ela sobre isso. Ela sacrificou muito para desenvolver minha música. Então, sim, era sua convicção. Eu gostaria de perguntar a ela: “De onde veio essa convicção?”

Allison Kugel: Vamos falar sobre o seu segundo filme, I Still Believe, que será lançado em 13 de março. O trailer me fez chorar. É inspirado na verdadeira história do cantor e compositor cristão Jeremy Camp, e descreve a história de amor entre ele e sua primeira esposa, Melissa, que morreu de câncer de ovário um ano depois de se casar. Falando em convicção, Jeremy sabia que provavelmente tinha um tempo limitado com Melissa, mas ele era muito dedicado a ela. Você interpreta a mãe de Jeremy, Terry Camp, no filme. Você acha que poderia estar 100% em um relacionamento sabendo que provavelmente perderia a pessoa assim? Shania, você correria esse risco?

Shania Twain: Sim! Eu faria isso. É uma história comovente, mas acho que é melhor entrar de vez em quando e viver o momento, sem saber onde isso terminará, e mesmo se houver uma probabilidade de que acabe mal. Eu acho que o amor nunca é uma perda de tempo. Nunca é uma perda, mas sempre um ganho. Este filme prova isso da maneira mais magnífica e da maneira mais altruísta possível. E o amor verdadeiro é altruísta. Foi muito emocionante, muito inspirador e o ato final de abnegação, que deveria ser o amor.

Allison Kugel: Você teve duas ótimas experiências no cinema, até agora. Seu primeiro filme, o Trading Paint de 2019, você trabalhou ao lado de John Travolta e em I Still Believe você trabalhou com Gary Sinise; dois atores incrivelmente talentosos. O que você aprendeu até agora?

Shania Twain: Os dois são tão experientes quanto atores e me influenciaram bastante. Eu aprendi muito com eles. Eles foram gentis e prestativos e me fizeram sentir muito à vontade; e eu simplesmente adorei estar no set. John Travolta me fez sentir muito confortável e um set de filmagem está em algum lugar em que sinto que pertenço. Isso vem a mim muito naturalmente. Eu não tenho nenhum nervosismo sobre isso ou algo assim, e eu realmente adoraria fazer mais no filme, então isso despertou um interesse que eu não sabia que tinha. É uma alegria recém-descoberta na minha vida, onde posso ser criativa e sair de mim como nenhum outro elemento da minha carreira.

Allison Kugel: Você começou a pensar sobre qual será o seu legado? Você pensa sobre isso?

Shania Twain: Bem, eu não penso muito no final (risos).

Allison Kugel: (Risos) Desculpe! Eu não quero ser sombrio. Me veio à mente porque, quando eu estava assistindo a cobertura do Oscar deste ano, alguém fez um comentário sobre Brad Pitt, afirmando que ele está em um ponto de sua carreira em que está começando a pensar em seu legado. E estou pensando: Quando você chega a esse ponto? Quando isso acontece?

Shania Twain: Não sei qual seria o meu legado. Eu acho que seria melhor perguntar às pessoas o que elas pensavam e o que elas acham que Shania Twain representa. O que ela é para eles ou qual é sua música para eles? É a música que é o legado para eles?

Allison Kugel: Você ainda tem uma lista de desejos neste momento? E se sim, o que há nele?

Shania Twain: Ah sim! Eu tenho algumas coisas (essa foi a pergunta favorita de Shania. Ela absolutamente se iluminou!). Uma coisa na minha lista de desejos é que eu quero andar a cavalo nas Bahamas nas Exumas. Está na minha lista de desejos. Quero morar em algum lugar de natureza, muito remota e isolada do resto do mundo por um mês (risos). E seria divertido conseguir um Oscar…

Allison Kugel: Ah! Eu ia te perguntar sobre isso, mas não queria colocá-lo no holofote …

Shania Twain: Isso seria uma coisa da lista de desejos, é claro! Por que não? Eu definitivamente adicionaria um Oscar à minha lista de desejos (risos).

Allison Kugel: Bem, não tenho dúvidas de que, seja lá o que você definir, você pode fazer. Você ora, Shania? E, se sim, a quem ou o que você ora?

Shania Twain: Sim, eu faço. Eu oro na forma de meditação. Eu acredito muito em uma força maior e um criador. Oro pela vida, pelo mundo e por toda a existência; e faz parte da minha reflexão diária. Faço questão de nunca pedir nada. Acredito que o criador está fazendo tudo à vontade e que meu papel é cumprir essa vontade. É nisso que eu realmente acredito.

Allison Kugel: O que você acha que entrou nesta vida como Shania Twain, bem como Eilleen (nome de nascimento de Twain) e depois Shania Twain; o que você acha que entrou nesta vida para aprender? E o que você acha que veio aqui para ensinar?

Shania Twain: Bem, eu sempre vejo meu único objetivo como cumprir a vontade do criador. Esse é, novamente, um sentimento profundo genuíno, e nem sempre sei o que é isso. Nem sempre é claro e não tenho ideia para onde estou indo nesse sentido. Mas o que quer que eu faça, faço da melhor maneira possível e me comprometo completamente. Eu acho que provavelmente entrei nesta vida para entender o quão poderosa é a música e quanto mais poderosa a comunicação através da música, além do meu próprio plano pessoal. Sempre me lembro que minha música e qualquer coisa que eu coloco como ser humano e como artista é muito maior do que eu. Gosto da sensação de deixá-lo ir e pertencer a quem mais ele afeta. No meu caso, é em grande escala. Não me pertence e não me sinto dona, se isso faz sentido.

Allison Kugel: Faz todo o sentido. O que você acha que ensinou a seu filho, Eja, sobre a mulher através dele observando sua vida?

Shania Twain: Que as mulheres são completamente capazes de sua própria independência; tomada de decisão independente, apoio financeiro independente e sonhos independentes. Sempre fui uma figura feminina forte e independente na vida de Eja, mas lembrei-o com frequência de que não sou perfeita, que tenho minhas falhas e minhas fraquezas e que é importante ter empatia pelas pessoas que estão na sua vida. Espero que ele tenha aprendido isso e levado isso com ele, porque quero que ele também perceba que ele tem que ser um apoio à mulher em sua vida. Quero que ele entenda que nós, mulheres, nem sempre somos os pilares da força. Nem sempre somos a pedra. Muitas mulheres fortes dão essa impressão, que somos e que sempre podemos fazer tudo. É bom que os filhos saibam que somos todos humanos e todos precisamos um do outro.

Allison Kugel: Um dia, muito longe no futuro, porque não quero dizer que seja tão cedo, mas em algum momento em que um filme for feito sobre sua vida, qual é a única coisa que você pede a Deus que ele acerte?

Shania Twain: Eu realmente gostaria que os conflitos da minha vida fossem retratados com respeito. Tem havido tanta coisa na minha vida, que a maneira como esses momentos são tratados, na minha opinião, seria a base de um bom filme sobre a minha vida. Seria difícil lidar com todas essas coisas que foram tão importantes para mim na minha vida se tornando sensacionalizadas. Eu não gostaria que a integridade do que eu passei fosse comprometida por sensacionalismo, ou que minha história real fosse abusada ou explorada.

Allison Kugel: Antes de dizermos adeus, gostaria de dizer obrigado. Obrigado pela música incrível.

Shania Twain: Obrigado, agradeço.

Fonte: Social Lifestyle Magazine

Shania Twain fala sobre moda durante a NY Fashion Week
06 fev 2020
notícia postada por Diego Brambilla

Nesta quarta-feira (05), a estrela country Shania Twain se apresentou no icônico desfile Go Red for Women, durante a New York Fashion Week. O desfile foi promovido pela American Heart Association e apresentou uma coleção de vestidos vermelhos para mulheres, usando a cor para chamar atenção para a causa das doenças cardíacas em mulheres.

Antes da apresentação, Shania passou pelo tapete vermelho e pela passarela do evento usando um vestido longo vermelho com transparência e um chapéu, também vermelho.

Eu me divirto mais do que levo a sério, porque é realmente apenas uma diversão para mim”, disse Twain à Billboard. “Sou uma artista de gravação, não sou modelo, então, para mim, estou me divertindo quando estou brincando com a moda”.

Twain ainda refletiu sobre alguns de seus looks mais memoráveis, como ela construiu sua própria passarela no mundo da moda e sobre artistas como Lizzo e Halsey.

As fotos do evento já estão disponíveis na nossa galeria.

Confira a entrevista completa traduzida:

Você disse à Billboard no tapete vermelho do Grammy que sua moda é “linda e sexy sem comprometer a integridade”. Como você acha que conseguiu manter isso ao longo de sua carreira?

Abracei minha feminilidade tarde, porque sempre fui uma moleca quando criança. Então, quando finalmente comecei a fazer vídeos, percebi como era divertido experimentar roupas que lisonjeavam meu corpo, em vez de escondê-lo. Mas, ao mesmo tempo, eu queria ser sexy e ainda ser capaz de olhar para as filmagens e não ficar envergonhada com isso, ou sentir como se tivesse comprometida com a moda ou com um diretor. É complicado, porque é fácil tomar uma direção e esquecer quais são seus próprios limites quando você está no momento. Você tem que ser clara e muito forte sobre o que isso significa para você, onde estão seus limites e o que é sexy para você – e se ater a isso.

Você era uma artista country vestindo tops e roupas de época, quando eram mais o que as estrelas pop usavam. O que significava para você se expressar através da moda em um gênero mais tradicional? Havia algum medo de enfrentar reação?

Eu sempre gosto de dar uma guinada em tudo. Eu só preciso seguir meu próprio caminho e fazer o que eu acho que é bom para mim de forma criativa. E como artista, nunca prestei muita atenção ao que eram as tradições, especialmente associadas à música, porque isso é apenas limitador. Eu nunca conseguiria ter imaginado estar limitada por uma expectativa de aparência do gênero musical e pelo que deveria ser. O estereótipo teria sido algo que eu teria deliberadamente ignorado, especialmente naquela época.

Eu apenas fiz minhas próprias coisas. Realmente não importava o que era esperado. Fazer o inesperado é muito mais interessante para uma pessoa criativa e é mais exclusivo. Eu quero ser original. A arte é o que você pensa que é; portanto, limitar-se a um estereótipo ou a algum tipo de limite é um abalo criativo.

Quando você introduziu a estampa de oncinha na sua imagem, você achou que ela se tornaria parte permanente da sua marca?

Não sei por que, mas fiquei realmente atraída por isso. Eu acho que gostei mais de poder usar uma estampa de animal sem ser pele de um animal. As peles de animais ficam melhores nos animais [risos], mas eu gosto da impressão, por isso é uma vitória para mim.

Para o vídeo de “That Don’t Impress Me Much”, foi realmente brilhante do [designer / colaborador frequente da Shania] Marc Bouwer trazer as cores vermelhas com o bustiê com joias e a gargantilha. Eu pessoalmente não teria combinado vermelho com estampa de leopardo. Eu aprendi muito com ele se arriscando e fazendo coisas um pouco mais incomuns.

Como você consegue transformar a forma como a sua moda se traduzirá e aparecerá no palco sem repetir a história ou ficar fora do comum?

Estou gostando da minha feminilidade mais do que nunca agora, à medida que envelheço. Nos meus shows, por exemplo, estou me divertindo com tecidos mais transparentes, mostrando mais pele nesse sentido. Quando eu era mais jovem, levei um tempo para ficar cada vez mais confortável em minha própria pele.

Lembro de quando filmei “Man! I Feel Like A Woman!”, o designer queria que eu usasse essa saia muito curta, que foi a que eu usei; a música estava chamando por isso. Mas, ao mesmo tempo, eu pensava: “Eu nunca uso saias curtas, vou ter vergonha de usar uma saia curta e me sentir confortável em dar um bom desempenho.” A alternativa era a bota até a coxa – que se desenvolveu mais por uma insegurança da minha parte, mas depois se tornou uma afirmação como parte do visual.

Eu acho que sua própria moda deve ser ditada pela forma como você está se sentindo: o que você quer mostrar, o que você não quer mostrar, como se mexer com isso. Também o torna muito inovador e criativo. Agora estou mais confortável com minhas pernas do que estava na época – agora uso mais saias curtas do que antes. Minha confiança evoluiu mais com a idade.

Falando no vídeo de “Man! I Feel Like A Woman!”, como você teve a ideia do conjunto preto casacão e cartola?

“Addicted to Love”, de Robert Palmer, foi a referência para esse vídeo. Eu peguei a aparência e revirei os papéis. Tratava-se de criar uma aparência feminina forte – as mulheres sempre pareciam incríveis em ternos de negócios. Foi aí que o casaco e a cartola entraram, e tudo veio junto com o meu tipo de corpo, no que eu estava confortável. Marc [Bouwer] sabia como uni-lo como uma mulher – com aparência masculina, forte, feminina, híbrida.. É muito um híbrido de gêneros, e como todos eles pertencem juntos à moda.

Adorei que você trouxesse o visual de volta ao vídeo de “Life’s About To Get Good”.

Usamos as mesmas roupas de verdade, não acredito. Isso foi um aperto, eu admito. Mas eu consegui! [Risos]

Deve ser legal ver artistas novos usando seus looks famosos também, como Halsey com o vídeo de “You Should Be Sad”.

Ah é! E quando olho para trás e penso em como eu era insegura em relação ao meu corpo, quando era mais jovem, era mais cuidadosa e cautelosa, menos liberada. Eu vejo o vídeo de Halsey e percebo: “Uau, não sei por que estava tão preocupada com isso.” Acho que as mulheres estão se sentindo mais liberadas e menos conscientes do que antes, vejo progresso por aí. Portanto, é realmente divertido ver as influências do meu guarda-roupas sendo carregadas com mais liberdade.

Existem outros artistas cujo estilo você está amando agora?

O senso de moda mais legal e quente que estou vendo por aí agora e que é simplesmente incrível é Lizzo. Ela passou por mim no Grammy e eu pensei: “Isso é lindo!” Ela está apenas usando roupas bonitas. Ela estava usando uma coisa de brilho preto aveludado, e então a outra era branca e mais uma coisa brilhante estriada. Tudo o que ela usava era lindo.

Você viu sua pequena bolsa no American Music Awards?

Sim – quero dizer, o que? Você tem que amar esse senso de moda. É divertido, é lindo. Ela está fazendo tudo o que eu faria. Eu acho lindo, e ela parece confortável. O que você veste bem é o que funciona, e ela está fazendo isso.

Por fim, por que é importante fazer parte da iniciativa Go Red for Women da American Heart Association?

Precisamos focar na saúde da mulher. O autocuidado está se tornando mais um foco na minha vida do que nunca – acho que tomei isso como garantido. É uma grande surpresa perceber que as mulheres têm uma porcentagem tão alta de riscos à saúde do coração; é algo que não está no topo da lista de conscientização de ninguém, muito menos de mulheres. Então, eu estou realmente feliz por fazer parte dessa conscientização e trazê-la para a frente.

Eu imagino que você vestirá algo vermelho?

Estarei vermelha e brilhante – estou no modo brilhante agora. Estou ansiosa para brilhar e trazer alguns sorrisos.

FONTE: Taylor Weatherby – Billboard

Shania Twain é destaque do Los Angeles Times
06 fev 2020
notícia postada por Diego Brambilla

A residência de Shania Twain em Las Vegas está dando o que falar. Dessa vez, a cantora foi destaque de uma matéria especial do Los Angeles Times sobre o entretenimento da cidade e sobre como suas duas residências trouxeram de volta sua carreira à todo vapor.

Confira abaixo a matéria completa traduzida:


Las Vegas revivou a carreira de Shania Twain… e talvez sua vida também
Publicado em: 30 de janeiro de 2020

No meio do show “Let’s Go!” em Las Vegas Shania Twain convida um casal da platéia para o palco do Twain Town Saloon. Quando Twain se senta em cima de um balcão de bar com seu violão, ela grita para o casal: “O que os traz à Las Vegas?” O homem oferece timidamente: “Uh, você?!” Twain sorri e responde. “Eu amo que não ser uma atividade secundária!

Parece uma piada bem oleada, mas também é uma pesquisa de mercado instrutiva. A grande recompensa em tocar em uma residência em Las Vegas, em vez de sair em uma turnê mundial, é que o artista pode se enraizar em um só lugar. A desvantagem é que eles nem sempre são o evento principal ou o principal motivo da viagem. A residência de Twain fica no Zappos Theatre, Planet Hollywood e é uma das dezenas de espetáculos pop em Las Vegas nos últimos anos. De acordo com Amanda Moore, vice-presidente de marketing da Live Nation Las Vegas, o entretenimento é a principal razão do turismo de Las Vegas, superando os jogos de azar. E com 800.000 a 1 milhão de pessoas pousando na Strip a cada semana, todas com gostos diferentes, Vegas está comprometida em garantir que haja espaço suficiente para comercializar e vender todas as suas estrelas.

Longe estão os dias de Las Vegas como um lar de idosos para artistas que não são mais capazes de vender arenas. A Strip tornou-se um gerador de dinheiro para artistas ainda vibrantes durante os anos rasos da indústria da música, quando a receita reduzida das vendas de músicas gravadas levou a performance ao vivo a se tornar a principal fonte de renda de um artista. Daí uma miríade de mercados representados por artistas que abrangem gêneros, épocas e públicos: de Calvin Harris e Zedd a Travis Scott e Drake, Lady Gaga e Mariah Carey a Aerosmith e Sting.

Twain foi uma das primeiras defensoras de Las Vegas: sua primeira residência, intitulada “Shania: Still The One”, estreou no The Colosseum do Caesars Palace em dezembro de 2012. Desde a abertura da “Let’s Go!” em novembro do ano passado, ela deve passar dois anos com 23 datas programadas nas três primeiras temporadas até o próximo verão.

Seu sucesso aqui é uma prova de seu apelo cruzado. Twain, 54, não é apenas a cantora country mais lucrativa de todos os tempos, mas “Come on Over” de 1997 continua sendo o álbum mais vendido de qualquer artista feminina em qualquer gênero.

Seu show acontece três vezes por semana, um desfile de duas horas com uma banda de sete integrantes, oito dançarinos e seis trocas de roupa. A multidão de 7.000 é uma mistura de mulheres jovens e casais idosos. “É hora de levantar! Levante sua bunda” – grita Twain. Os ingressos começam em apenas US $ 60. Há mercadorias em abundância, de camisetas de manga comprida a luvas com estampa de oncinha.

Ray Waddell, presidente da divisão de mídia e conferência do Oak View Group, que inclui a publicação comercial de entretenimento Pollstar, estima que Twain ganha tanto, senão mais, do que os melhores artistas de Las Vegas. Sua média bruta é de US $ 1 milhão por programa, o mesmo que Gaga ou Calvin Harris. Os artistas costumam dizer que não são pagos para se apresentar, mas para viajar. Em Las Vegas, não existe tal despesa.

Ainda assim, uma residência em Las Vegas continua sendo uma espécie de aposta para a maioria dos artistas. “É como encher o Radio City Music Hall todas as noites”, diz Scott Rodger, gerente de Twain. Ele cita o desafio logístico de manter a equipe unida por um período prolongado e alugar equipamentos que permanecem inativos por meses.

Depois, há a promoção, que é um jogo diferente de uma turnê regular e muito menos previsível, dada a variedade de clientes que chega toda noite. Em uma turnê, cada retorno a uma cidade pode ter uma grande proporção da audiência de uma turnê anterior. Isso não acontece aqui. Apenas um em cada quatro da plateia de Twain faz eco à sua demografia usual de despedidas de solteira, casais e gays. “A menos que sejam superfãs, talvez não voltem novamente. É caro”, continua Rodger. “Em Las Vegas, você tem pessoas de 50, 60 cidades em um lugar. Eles não são todos culturalmente iguais. Qualquer outro gerente fará eco desses sentimentos. Não é um caso de ganhar o jackpot fazendo uma residência em Las Vegas. Estamos trabalhando em cada programa como se fosse diferente.

Nos bastidores, Twain está com seu cachorro Melody, seu marido, Frederic Thiebaud, e Mark Davis, proprietário do Oakland Raiders, que estão se mudando para Las Vegas em 2020. Ela está passando seu iPhone exibindo vídeos de passeios à cavalo nesta manhã na propriedade que ela e Thiebaud vivem quando estão em Las Vegas. Fica a 30 minutos da Strip – um santuário para Twain.

Quando Twain foi ao Caesars para sua primeira residência, ela estava recém-operada. Ela não se apresentava desde 2004. “Isso me forçou a me recuperar”, diz ela. Ela se divorciou do superprodutor Robert “Mutt” Lange, passou por um período de depressão e se casou com o executivo de negócios Thiebaud. A residência não apenas impulsionou seu retorno ao vivo, mas também regenerou sua vida e inspirou seu primeiro álbum em 15 anos, “Now” de 2017.

Quinze anos atrás, Twain recebeu uma residência e recusou. “Eu ainda estava em turnê pelo mundo, fazendo vídeo após vídeo, trabalhando em meus álbuns. Também me lembro de pensar: Vegas é clássica, é Elvis. Eu me senti intimidada. Verdade? Eles me querem em Las Vegas? Tenho hits suficientes para fazer isso?” Dez anos depois, eles perguntaram novamente. “Eu disse, sabe? Eu serei corajosa. Eu vou fazer isso.” A atmosfera comemorativa de Vegas, a maneira como a tratam (“como a realeza”), ajudou a aumentar sua confiança. “Uma residência de longo prazo é um privilégio”, diz ela. “Eles não as entregam assim

De acordo com Waddell, Twain foi uma sucessora pós-Celine Dion, cuja carreira inovadora no Caesars em 2003-07 continua sendo a residência de maior bilheteria para um artista musical. Twain era um country fora do comum, uma estrela internacional, uma artista que não havia “matado os mercados dos EUA até a morte”. Cinco anos depois, ela continua sendo a única entre os outros artistas principais. “Shania é uma artista profissional e calorosa, com dezenas de hits e um grande empate: uma atuação perfeita em Las Vegas.

A troca por Twain é o atrativo da intimidade e da produção imbatível. “Você não pode sair em turnê com esse nível de sofisticação”, diz ela. “Em uma arena, a escala é maior, mas a tecnologia é muito frágil para fazer uma turnê. Nos teatros, a escala é menor, mas a qualidade é melhor. É uma grande troca se você está procurando o crème de la crème da performance ao vivo.” Twain vê isso quando ela também participa de shows. “A mágica do que podemos alcançar nos teatros de Las Vegas é de outro planeta.

Assim que Twain terminou sua turnê australiana em dezembro de 2018, ela voltou a conversa para Las Vegas. Aqui estava uma oportunidade para ela se entregar à sua paixão pelo ar livre. Também faz sentido para oportunidades de trabalho em Los Angeles – seja gravando um álbum ou fazendo aparições na TV. Com apenas três shows por semana, há muito tempo de inatividade para caminhadas e relaxamento. O círculo social é apertado. Twain tem amigos de residências anteriores. “Nós ficamos nos camarins um do outro, vamos às refeições, ninguém está correndo em um ônibus ou jato, porque o próximo show está aqui.” Ela sentiu falta. “Meu marido e eu estamos assentados aqui.

O futuro das residências musicais em Las Vegas parece brilhante. Artistas mais jovens (relativamente) como Blink 182, Jennifer Lopez, Backstreet Boys e Gwen Stefani estão aproveitando a nostalgia dos anos 90. Os resorts competem por exclusivos, e a indústria da música tem muito a oferecer em todos os gêneros, dados demográficos e estilos de show. Um próximo local de entretenimento do grupo Madison Square Garden aumentará ainda mais os padrões de produção. Em 2020, os Raiders também abrem um estádio. “O negócio ao vivo está na era de ouro”, diz Waddell. “Vegas está no epicentro disso, continuando a se reinventar com investimento e comprometimento de pessoas muito inteligentes e estratégicas.” Para a própria Twain, Vegas trouxe a ela uma sensação de facilidade e conforto no palco que a lembra de seus primeiros anos de atuação.

Trata-se de ser estável o suficiente na sua pele para apenas seguir com ela”, diz ela. “Qual o pior que pode acontecer? Nada realmente. Comecei em locais pequenos e aprendi essas habilidades jovem, mas só as estou aplicando agora ao máximo aqui nesses teatros. Vegas trouxe tudo de volta para mim.

FONTE: Los Angeles Times