Shania Who?

Shania Twain é cantora, compositora, produtora e escritora canadense, e um dos grandes nomes da música country no mundo todo. Atualmente possui cinco álbuns de estúdio que, juntos, ultrapassam 100 milhões de cópias vendidas.

Shania Twain abre sua casa para a revista “L’Illustré”

Shania Twain é capa da revista “L’Illustré” deste mês. E pela primeira vez, a cantora abriu sua casa para receber à equipe e contar um pouco de sua história de vida, como é morar na Suíça e já afirmou já ter programado um novo álbum para 2020.

Confira a matéria completa traduzida:

A música salvou minha vida

A estrela pop canadense do pop country residente no distrito de Vaud nunca abriu suas portas à imprensa em 23 anos. Para “L’Illustré”, Shania Twain faz uma exceção. Um relato alucinatório da vida de uma resiliente, entre triunfos e fracassos.

Texto: Didier Dana | Fotos: Alexander Harbaugh

Antes de entrar na casa da superestrela Shania Twain, figura mundial do country pop em La Tour-de-Peilz, você tem que passar por dois portões. Ela deixou o segundo adornado com uma folhagem metálica. O motivo é encontrado na porta da frente de sua casa com paredes amarelas pálidas. Três cachorros pulam e te seguem desde o jardim até a vasta sala de estar aberta na varanda. Um piano está diante do retrato gigante da cantora em um dos salões adjacentes. O jardim levemente inclinado tem vista para o lago e as montanhas, o Grammont e o Dents-du-Midi. A paisagem abriga uma piscina turquesa à sombra de palmeiras.

Com os pés descalços, calça legging preta e blusa branca, a dona de casa podava suas rosas com aromas de limão: “Olá”, ela diz com um sorriso brilhante. A artista, cujo álbum “Come On Over” é o mais vendido da história da música country, começou a estudar francês há dezessete anos. Aquela, a quem todos chamam Eilleen, seu nome verdadeiro, entra na cozinha, onde ela engole um sanduíche enquanto espera por seus convidados. O Knie chega de minuto a minuto. “Eles são como eu, filhos do baile.” Com eles, sua amiga Thierry Amsallem, presidente da Fundação Claude Nobs, e Mirko Manfredi, sua companheira.

Instalada na região há 23 anos, Shania Twain, nascida Eilleen Regina Edwards, cultiva discrição. Quando perguntada se somos os primeiros representantes da imprensa que ela recebe desde que decidiu morar anonimamente no distrito de Vaud, ela ri. “Sim, é verdade! Mas não estou tentando fazer mistério.” Algumas pessoas o reconhecem no Coop. “Eu sempre andava com meu filho em seu carrinho e o levava para a escola como todas as mães.” Se ela é listada todos os anos no ranking dos 300 mais ricos da Suíça, as portas de sua privacidade ainda não foram alteradas. Por outro lado, aqueles segredos de sua vida privada se despedaçaram durante sua separação do famoso produtor Robert John “Mutt” Lange.

Ele era a metade dela em todos os sentidos da palavra. Seu marido, logo após se conhecerem, e co-autor de sucessos como “Man! I Feel Like A Woman!” entre outros. Quando foi lançado em 1997, “Come On Over” fez um triunfo histórico – foi o nono disco mais vendido nos EUA e no mundo. Nos clipes, Shania interpretava uma mulher americana liberada e sexy em suas botas, cercada por homens – expostos com torso nu. Seus sucessos com “Mutt” Lange, o homem do AC / DC, Lady Gaga e Muse, gerariam uma fortuna estimada entre 350 e 500 milhões de dólares. O casal parecia inoxidável, até o dia em que o mecanismo do amor foi infectado. O senhor sai com a secretária, confidente íntima e braço direito de sua esposa, casada com o valdense Frédéric Thiébaud.

A separação foi anunciada em 2008, o divórcio foi pronunciado em 2010. Na Suíça de língua francesa, todos ouviram falar do escândalo sem saber quem era Shania Twain. Vítima de uma traição brutal – “uma facada nas costas e no coração” – ela afundou na depressão. “Fui para o Canadá, longe de tudo. Ser enganado é uma ferida que não é fisicamente visível, que o marca obsessivamente e o torna muito vulnerável. Sentimos raiva, frustração e tristeza.” Nesta pilha de cinzas, no entanto, um romance eclodirá. “Frédéric Thiébaud estava especialmente perto do meu marido. Nós não nos conhecíamos bem”. Shania e ele, enganaram os dois “Fomos jogados ao mar”- se aproximaram através de seus respectivos filhos, Eja e Johanna (18). “Depois de meses de sofrimento, eu disse a mim mesma: ‘Espero ser tão forte e generosa quanto ele’. Éramos dois seres espelhados, entendíamos um ao outro como tendo passado pela mesma provação. Todo mundo estava indo muito longe”. Demorou algum tempo até o relacionamento deles se tornar oficial. “Fiz meu pedido em um balão sobre o Gruyère na primavera de 2010. O voo correu bem, mas o pouso foi bastante acrobático”, diz Thiebaud, divertido. Alto, sorridente, cabelos compridos e encaracolados, ele se ajoelhou para mostrar seu amor. “Ele estava pedindo permissão para me amar”, disse Shania, que havia encontrado nele o homem de sua vida. O casal se uniu em Porto Rico em janeiro de 2011.

Este episódio, como muitos outros, ilustra a resiliência de Shania Twain. Aos 54 anos, ela libera um frescor e energia palpáveis, como se não tivesse perdido nada e, mesmo que a vida não a poupasse, era preciso aproveitar a sorte e trocar o mal por um bem. “Tenho orgulho do que alcancei; Eu sobrevivi!” Ela disse. Frédéric, 49, é ex-executivo da Nestlé na Nespresso International. Um empresário experiente, que começou seu próprio negócio. “Era essencial se quiséssemos nos encontrar novamente. Nós dois estávamos constantemente entre dois aviões.” Agora, ele a acompanha em turnê. “Eu supervisiono a coordenação entre os diferentes negócios, Shania tem as mãos livres para gerenciar o artístico”, diz ele antes de interromper. Uma caravana engraçada acaba de chegar Mary-José Knie e seu neto Ivan Frédéric têm uma surpresa para a garota do campo. Aqui está Hermes, um cavalo preto de ébano do ensino médio. Esse frísio holandês parece certo de seu efeito. “Ele é bonito e sabe disso”, confirma Ivan. Com seu rabo estridente e ondulado, o animal tem uma pelagem que se destaca na relva macia e verde. A outra paixão da dona da casa são os cavalos. Ela montou inúmeros deles e até no palco. “Cuidado, é uma Ferrari!”, adverte Maycol Errani, o mestre dos estábulos do circo. “Ferrari, eu tinha muitas”, responde Shania. Garante sem estribos. No castelo de Sully (VD), sua antiga casa, ela tinha uma dúzia. Quando Mayvon pede “Hoch!”, Hermes se levanta. A sábia showgirl Shania gosta e até fica de olho no fotógrafo: “Continue fotografando, clique, clique, clique!”, ela diz. Thierry Amsallem está surpreso.

Esta noite, ele convida o casal para os chalés de Claude Nobs em Caux. Neste verão, entre o Grillon e o Picotin, os destaques da história de Montreux Jazz, Shania Twain foi embaixadora de cinco estrelas: Bon Iver, Tom Jonez, Joan Baez, Janet Jackson, Rita Ora, Slash ou o barbudo Billy Giccons do ZZ Top. Lá em cima, Amsallem arranjou para ela um pequeno camarote. Quando descobrem esse local de cartão-postal a mais de 1000 metros, sua vista panorâmica de tirar o fôlego, as estrelas da passagem o invejam muito bem. “O cantor George Ezra me perguntou se ele poderia voltar com sua esposa”, ela ri. O verão musical foi particularmente bem-sucedido para Shania. “Houve Montreux, seus shows e jam sessions às 2:30 da manhã com Janelle Monae, Lizzo, Quincy Jones. E eu fui três vezes ao Festival dos Viticultores. Que fonte de inspiração para mim!”, ela diz.

Seu desejo seria perpetuar o espírito do que ela conheceu em 1997 e que ela chamou de “Tio Claude”: o lendário Claude Nobs, que hospedou na Riviera os Rolling Stones, David Bowe ou Freddie Mercury. “Ele me apresentou à Suíça e suas maravilhas; o melhor e principalmente o queijo que derrete. Eu amo a raclette! Ele sabia como entreter os artistas, de Ella Fitzgerald a Prince”. O garoto de Minneapolis correspondia com Shania, mas nunca haviam se encontrado antes. “Um dia, a pedido de Claude, recebi o Prince de chinelos em minha casa. Prince me disse: ‘Você tem pés lindos!’. Ele queria produzir meu álbum. Com ele, você estava na presença de puro gênio. Por isso, Montreux é uma jóia”. Quando Nobs morreu em 2013, ela sentiu uma falta. “Este lugar cheio de história não deve permanecer um lugar do passado”. Thierry Amsallem sabe bem. “Há Shania Twain e Eilleen”, diz ele. A artista e a mulher. A primeira, com cinco prêmios Grammy e mais de 100 milhões de álbuns vendidos, não tem nada a provar. A segunda superou dramas inesperados. Ela não deixa nada a desejar com suas cicatrizes internas. “Eu falo sem tabu. Como testemunho, quero mostrar aos outros como superei meus problemas”, diz ela. Esquecendo o brilho, ela concorda em voltar à infância.

Tudo começa no Canadá, em Timmins, Ontário, onde ela cresce em um ambiente hostil e gelado. “Eu sou de uma formação muito pobre. Eu nunca conheci meu pai de verdade, ele nos abandonou quando eu tinha 2 anos”. Sharon, sua mãe, se casa novamente com o alcoólatra e violento Jerry Twain. O casal e os cinco irmãos vivem em um quarto. Shania dorme no chão em uma laje de concreto. “Eles não podiam pagar o aluguel. Nós nos mudávamos constantemente; mudei de escola 17 vezes”. Shania perdeu tudo. Onde mudar, lavar e alimentar. Ao meio-dia, ela estava satisfeita com uma maçã ou fatias de pão, manteiga e mostarda. “No recreio, ficava na aula com meu violão, fingia praticar. Na verdade, brincava com palavras e sons para esquecer minha fome. Eu tinha vergonha de me misturar com os outros por causa do odor corporal, buracos nas minhas roupas. No inverno, eu nem tinha sapatos adequados. Estávamos congelando”. À noite, a precariedade exacerba as tensões familiares. A violência conjugal noturna é aterrorizante. Uma noite, Jerry bate a cabeça de sua esposa no vaso sanitário e a mergulha no lavabo. Shania, 11 anos, acredita que ela está morta. Ela intervém esmagando uma cadeira nas costas do agressor, que lhe dá um soco na mandíbula. Pela primeira vez, ela se mexe. “Ainda hoje”, diz ela. “Se duas pessoas estão brigando, eu intervenho. É mais forte que eu”. Diante de nós, Shania, a adulta, de pernas cruzadas, parece ilesa. “É difícil entender como consegui permanecer estável crescendo neste ambiente. De certa forma, tornou-se normal para nós. Eu não tenho raiva. Perdoei…” Ela jurou ajudar os outros se um dia ganhasse dinheiro suficiente para cumprir a promessa. Sua fundação Shania Kids Can, administrada pelo marido, ajuda os pobres a extraí-los do ciclo infernal de pobreza, violência e isolamento. “Você precisa aproveitar o tempo das crianças na escola para dar a elas a opção de lhes proporcionar algo para lavar, trocar de roupa, fazer a lição de casa e comer para tirá-las do que elas acham inevitável.”

A música era sua salvação. Uma saída e uma fuga. “Eu saia sozinha com meu violão na imensa floresta. Era o meu jeito de escapar da realidade.” Shania canta desde os três anos de idade. “A primeira melodia que me lembro é Twinkle, Twinkle, Little Star. Muito rapidamente, percebi que minha voz era um instrumento”. Ela tem apenas 8 anos quando, por um punhado de dólares, se apresenta em clubes sórdidos. “Os clientes estavam estocando álcool. À meia-noite, o bar fechou e eu subi no palco. Meus pais estavam por perto. Eu via as strippers rolando. As brigas começavam, as garrafas jogadas contra as paredes explodiam. Era extremo e traumático”. Com o primo, ela aprendeu seus primeiros acordes. “Eu me tornei a pequena cantora da comunidade. Eu escrevi minhas primeiras músicas aos 10 anos, cercada pela necessidade de sair.”

Uma emergência e um bom sentimento. Em novembro de 1987, seus pais foram mortos em um acidente de carro. Shania tinha 22 anos quando a polícia pediu que ela reconhecesse os corpos. Ejetado do veículo, seu irmão Mark, 14 anos, é o único sobrevivente. De repente, ela se torna chefe da família. Um papel assumido por seis anos. Ela é chamada para liquidar a propriedade, falar sobre hipotecas. Sua irmã mais velha, iniciando uma família, estava fora de alcance. “Eu estava perdida. Eu não tinha ninguém”. Ela cria seus irmãos Mark e Darryl e cuida de Carrie, a última. O que fazer? Movida por seu instinto, Eilleen se reinventa e se torna Shania. Este nome de origem indiana significa “Estou no meu caminho”. Na região, sua voz faz sua reputação. A sorte está no ponto de encontro quando ela pega um contrato discográfico na PolyGram. “A música salvou minha vida!” E a de sua família, que ela abriga.

Sua carreira, Shania Twain, construiu pedra por pedra, bares locais até estádios de 100.000 pessoas. Com quatro álbuns, de 1993 a 2002, ela tocou com grandes nomes, de Elton John a Celine Dion. Em 2003, um mal sorrateiro a forçou a silenciar. Um parêntese de treze anos. “Contraí a doença de Lyme na Virgínia depois de ter sido picada por um carrapato.” Sua voz morre, os médicos diagnosticam disfonia. “Os nervos para ativar minhas cordas vocais foram paralisados 20% de um lado e 10% do outro, o suficiente para desestabilizar o controle.” A reeducação à qual ela é obrigada a priva do prazer de cantar. “Eu precisava de duas a três horas de aquecimento antes de um show. Tornou-se impossível…” Shania pensa em se aposentar antes de recorrer à laringoplastia. “Eles abriram minha garganta e colocaram implantes em Gore-Tex”. Seu timbre é ligeiramente modificado, o que deixa mais bonito. “Quando você assina 110 datas, é impossível voltar atrás. Não há nada melhor do que um prazo!”

Em 2017, seu público o encontra. Ela escreve e lança seu primeiro álbum sozinha. “Now” é inspirado por sua separação. O próximo está previsto para 2020. Na noite do nosso encontro, na intimidade do auditório de alta tecnologia de Picotin, Shania Twain revela cinco diamantes brutos não lançados. “Recuperei minha confiança. Eu ainda sou a garotinha na floresta…” Dois dias depois, ela voou para Las Vegas para preparar “Let’s Go!” show da residência no Zappos Theater que começa em 6 de dezembro. Em março, ela estará no cinema, ao lado de Gary Sinise, em “I Still Believe”. A mais valiosa mulher canadense valdense está pronta como sempre para batalhar pelo seu destino.

FONTE: Revista L’Illustré

Publicado por Diego Brambilla

COMENTÁRIOS